Fórumcast, o podcast da Fórum
11 de setembro de 2019, 20h53

Correios: adesão à greve paralisa agências em pelo menos 20 estados e no DF

Segundo as federações da categoria, todos os sindicatos aderiram à paralisação nacional

Foto: Reprodução/CUT

A mobilização do funcionários dos Correios contra a privatização da empresa estatal, incluída nos planos de Paulo Guedes, teve grande adesão nesta quarta-feira (11). Funcionários de 20 estados e do Distrito Federal cruzaram os braços contra as intenções do governo e contra a posição da direção da empresa de não negociar um acordo coletivo.

Iniciada às 22h desta terça-feira (10), a greve nacional por tempo indeterminado foi convocado por diversas assembleias que aconteceram na maioria dos estados e envolve as duas federações da categoria, a FENTECT e a FindECT. Segundo as entidades, “todos os 36 sindicatos de trabalhadores dos Correios aderiram à greve”.

As entidades cobram a negociação de um Acordo Coletivo entre a direção da empresa e os funcionários, o que tem sido negado pelo presidente dos Correios, o general Floriano Peixoto. Segundo as entidades, a indicação do general teve como objetivo impulsionar o projeto de desmonte defendido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e pelo presidente Jair Bolsonaro, que disse que as privatizações começam pelos Correios.

“Com a ameaça de privatização, este também é o momento de discutir a importância dos Correios para a sociedade, não apenas pelos impactos causados pela paralisação, mas pela necessidade de repensar as relações de trabalho, os problemas reais do povo brasileiro como o desemprego e – principalmente – o projeto de desmonte do Estado que quer destruir o patrimônio público brasileiro”, disse a FENTECT em nota.

O vice-presidente do FindECT, Elias Cesário de Brito Junior, denuncia a falta de compromisso da direção com os trabalhadores, que tiveram que acionar o Tribunal Superior do Trabalho (TST) para tentar negociar um acordo, que ainda não foi feito. “Vai ser uma luta de titãs. Temos um governo que pensa que é grande, mas nós temos uma categoria e um povo brasileiro que é muito maior que eles”, declarou.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum