O que o brasileiro pensa?
13 de março de 2019, 06h00

Em Berlim, ativistas alemães farão ato contra Bolsonaro e em homenagem a Marielle

Além de prestar homenagens a Marielle Franco no dia do aniversário de um ano do brutal assassinato da vereadora, ativistas alemães e brasileiros protestarão contra o presidente Jair Bolsonaro e o apoio de empresas do país ao seu governo; arma utilizada para matar Marielle, inclusive, é de uma marca alemã

Ato antifascista em Berlim em novembro do ano passado (Foto: Christian Russau/Facebook)

Na quinta-feira (14), data em que se completa um ano do brutal assassinato – ainda sem respostas – de Marielle Franco, serão realizadas em inúmeras cidades brasileiras atos, vigílias e debates em homenagem a vereadora. Mas não é só no Brasil que a ativista dos direitos humanos é lembrada. Um ato em Berlim, capital da Alemanha, também está marcado para acontecer no mesmo dia.

Organizada por diversas entidades alemãs e brasileiras de direitos humanos, a mobilização de quinta-feira contará com dois protestos e uma marcha que têm como intuito, além de prestar homenagens a Marielle, demonstrar repúdio às políticas de “ataque à democracia” promovidas por Jair Bolsonaro e denunciar o apoio de empresas alemãs ao presidente.

Leia também
Governador do RJ é recebido com gritos de “assassino” em Berlim

A primeira manifestação começará às 15h30 (horário local) em frente ao prédio da Federação das Indústrias Alemãs (BDI). A ideia é fazer pressão para que as empresas do país deixem de apoiar um governo que os ativistas consideram “explicitamente antidemocrático”.

“Vamos denunciar – 50 anos depois da colaboração comprovada da Volkswagen com a ditadura militar brasileira – a contínua colaboração das empresas alemãs com políticos brasileiros como o Bolsonaro, que é explicitamente antidemocrático. Denunciaremos que as empresas alemãs, que representam 12% do PIB industrial brasileiro, continuam pensando só no lucro, e que os direitos humanos só lhes interessa quando se trata deles e de suas famílias”, disse à Fórum o jornalista, ativista e cientista social alemão Christian Russau.

Autor do livro “Empresas Alemãs no Brasil – O 7×1 na economia”, Russau faz parte do grupo conhecido como Acionistas Críticos, composto por ativistas que compram ações de corporações transnacionais para ter acesso às assembleias de acionistas e denunciar os crimes sociais, ambientais, econômicos e políticos destas empresas.

Na convocatória para a manifestação, as entidades organizadoras chamam a atenção para o fato de que Bolsonaro “implementa uma política de ataque à democracia”, que os direitos humanos “são considerados um entrave” em seu governo e que “seus planos são suprimir ou, pelo menos, enfraquecer os programas de proteção de direitos e seus defensores”, cujo objetivo seria “acabar com todas as formas de ativismo social” e “colocar na prisão ou forçar seus adversários ao exílio”.

“Enquanto isso, empresas e instituições alemãs declaram abertamente seu apoio ao governo Bolsonaro. O lucro parece ser mais importante para eles do que os direitos humanos e a democracia. É contra isso que protestamos com toda veemência”, declaram as entidades.

Depois do primeiro ato contra Bolsonaro e as empresas, os ativistas seguirão em marcha até a Embaixada Brasileira em Berlim, onde darão início ao ato de homenagem a Marielle Franco e “contra a repressão de mulheres e homens negros, dos indígenas, dos quilombolas, da comunidade LGBTQI*, dos sem-terra e dos movimentos sociais”.

À reportagem, o ativista Christian Russau explicou ainda que a luta contra o apoio de empresas alemãs ao governo Bolsonaro tem ligação direta com o assassinato de Marielle. Um dos exemplos é que a arma utilizada para matar a ex-vereadora é da marca Heckler & Koch, uma empresa alemã.

“Nós, ativistas de Direitos Humanos, exigimos a proibição de armas como a da Heckler & Koch para a Polícia Militar brasileira, como é proibida a exportação dessas armas para alguns estados do México”, afirmou.

A mobilização em Berlim é organizada pelo Fórum Resiste Brasil – Berlin, Brasilien Initiative Berlin, FDCL, Kooperation Brasilien – KoBra, KURINGA, Bloque Latinoamericano Berlin, Brasilien Initiative Freiburg, Dachverband der Kritischen Aktionäre, FIAN, Anastácia Berlin, RefrACTa Coletivo Brasil-Berlim, Mash-Up Multigender / Multiworld, ASW, Gira – Festival de Resistência e Internationale Liga für Menschenrechte.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum