Empresa acaba com marca de panquecas dos EUA acusada de racismo

Aunt Jemima era nome de personagem de show de cantores brancos que se pintavam de preto no século 19; nome passou a ser criticado no âmbito do movimento Black Lives Matter

Depois de ser acusada de racismo no ano passado, a linha de produtos para panquecas Aunt Jemima (tia Jemima, em inglês), vendida nos EUA, vai mudar de nome. A marca pertence à Pepsi, que anunciou o novo nome nesta terça-feira (9): Pearl Miiling, ou “moagem de pérolas”, em tradução livre.

A linha Aunt Jemima, que tem misturas e xaropes para panquecas, já existia havia mais de 130 anos. Ela é representada por uma mulher negra  e o nome é de um personagem em shows de cantores brancos que se pintavam de preto do século 19. Ele passou a ser criticado em meio a um debate nacional sobre racismo e desigualdade racial nos Estados Unidos, no âmbito do movimento Black Lives Matter.

A empresa já tinha anunciado, em junho do ano passado, sua intenção de mudar a marca. Mas os novos logotipos e título foram apresentados nesta semana.

No texto em que comunica a mudança, a Pepsi escreve que está comprometida com o progresso, “que inclui tanto remover a imagem da Aunt Jemima quanto mudar o nome”. A companhia diz que a marca existe há mais de 130 anos, e que reconhece que sua origem foi baseada “em um estereótipo racial”. “Embora o trabalho tenha sido feito ao longo dos anos para evoluir nossa marca de uma maneira que pretende ser apropriada e respeitosa, percebemos que essas mudanças não são suficientes”, escreveu a Pepsi.

A empresa ainda alega que as mudanças estão em consonância com sua “jornada em direção à igualdade racial”.

Quem acessa o site AuntJemima.com já encontra a nova embalagem, o comunicado e o aviso de que a marca vai migrar para Pearl Milling Company. A previsão é que ela chegue ao mercado a partir de junho.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR