Ex-jogador Michel Bastos afirma ter sido alvo de racismo em supermercado

Atleta que atuou no São Paulo e na Seleção diz que, ao colocar suas compras no caixa, foi questionado pela 3ª vez se era entregador; para outros consumidores, afirma, a pergunta é se são clientes e querem CPF na nota

O ex-jogador de futebol Michel Bastos, que atuou no São Paulo, no Palmeiras e na Seleção Brasileira, denunciou em vídeo em seu Instagram neste domingo (21) que foi vítima de um tratamento racista em um supermercado de São Paulo.

Ele conta que foi a uma unidade do St Marché em Alphaville, onde mora, fazer compras na manhã do domingo. Quando terminou, foi a um caixa  que estava vazio e colocou suas compras na esteira. E a atendente perguntou: “É Rappi?”, querendo saber se ele seria um entregador de app fazendo compras para um cliente. Ele respondeu que não.

Bastos diz que não foi a primeira, mas a terceira vez que a pergunta foi feita a ele no mesmo supermercado. “É a terceira vez que eu chego no caixa e a primeira questão é essa, perguntando pra mim se eu sou um entregador.”

Antes de prosseguir sua explanação, ele afirma: “Nada contra os entregadores, é um emprego digno como todos os outros”.

Mas explica que, nas outras vezes, havia consumidores à sua frente e o tratamento foi diferente. “A primeira pergunta a essas pessoas foi se elas eram clientes St Marché e se queriam CPF na nota”, relatou.

Neste domingo, um cliente foi ao caixa depois dele e o ex-atleta afirma que esperou para ver qual seria o questionamento. “Simplesmente ela perguntou diretamente se ele era cliente St Marché e se ele queria CPF na nota”, contou.

Bastos diz que seu vídeo “não é mimimi ou querer fazer militância”, mas entender por que o tratamento é diferente. Ele não especificou qual a cor dos outros clientes em seu relato.

A Fórum procurou contato com o St Marché e não conseguiu.

Publicidade

Veja a publicação.

Em nota, o grupo St Marche manifestou “repúdio ao comportamento inadequado que ocorreu em nossa loja em Alphaville”. Leia a íntegra abaixo:

Publicidade

O St Marche é uma rede de supermercados de bairro com 20 lojas na Capital e Grande São Paulo. Viemos, por meio desta nota, manifestar o nosso repúdio ao comportamento inadequado que ocorreu em nossa loja em Alphaville, no último domingo (21).

O Grupo cumpre uma série de requisitos em seu Código de Conduta e política de Não Discriminação (www.contatoseguro.com.br/grupostmarche) , sendo uma marca com selo GPTW (great place to work), onde o quesito Diversidade teve a nota máxima nesta pesquisa . Isso reflete a nossa cultura e valores deque todos devem ser tratados com respeito e igualdade.. E, cada vez mais, estamos engajados em melhorar nossas políticas e aplicar treinamentos de conscientização junto aos nossos colaboradores e parceiros para que situações como essa não ocorram mais.

Lamentamos o ocorrido e, no mesmo dia, o CEO da Rede, Bernardo Ouro Preto, entrou em contato, pessoalmente, com Michel Bastos para pedir desculpas pela ocorrência pontual na unidade de Alphaville.

Mais uma vez nós repudiamos qualquer forma de discriminação. Esse triste episódio não representa os valores e princípios do St Marche. Nós já estamos reforçando nossos treinamentos, em especial nesta loja. Não vamos admitir nenhuma forma de desrespeito seja com cliente, colaboradores ou parceiros.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR