Manifestantes homenageiam vítimas do genocídio no 3J

"Cadê a vovó?", perguntava uma pequena menina no ato realizado no Rio de Janeiro; Em João Pessoa, nomes de vítimas foram gritados

As vítimas do genocídio promovido pelo governo Jair Bolsonaro diante da pandemia da Covid-19 foram lembradas nos atos realizados neste sábado (3) em todo o Brasil. Familiares e amigos levaram faixas e cartazes em homenagem àqueles que se foram nesse duro período.

Notícias relacionadas

No Rio de Janeiro, uma gesto comoveu as redes sociais. O pai levou ao protesto sua filha, de cerca de uns 5 anos, com uma placa: “Cadê a vovó?”. O momento, registrado pelo ativista Murilo Ribeiro comoveu as redes e mostra um pouco da tragédia que abalou o país e deixou diversas famílias desmanteladas.

Muitos círculos de amizade também foram abalados. Para celebrar a memória deles, Adriana Dias da Cruz levou uma camisa com os nomes dos amigos escrito. “Pelo meus 9 amigos que ele matou! Fora genocida!”, dizia a blusa que a jornalista levava na mão.

Os nomes também apareciam: Luiz, Celia, Edson, Denise, Marquinhos, Vini, Jozé, Jair e Paulo Moreira.

Em João Pessoa, fotos daqueles que partiram foram erguidas. Vídeo publicado pelo Brasil de Fato mostra o momento em que os nomes das vítimas foram lidos e homenageados pelo coletivo. “Presente”, gritavam os manifestantes a cada pessoa lembrada.

Já estão confirmadas mais de 300 manifestações pelo Fora Bolsonaro, nessa nova jornada de lutas por vacina, auxílio emergencial de R$ 600 e pelo fim do governo genocida de Bolsonaro. Confira aqui a lista atualizada.

CONFIRA:

https://twitter.com/observint/status/1411332416178987023
Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR