Movimento muda nomes de ruas e homenageia trabalhadores vítimas da Covid

O MTD também lançará o Manifesto Nacional Por Trabalho Digno, com o mote “Sem Trabalho Digno, Não Há País, Não Há Esperança, Não Há Futura”

Com mais de 400 mil mortos pela Covid-19 e com pelo menos 14 milhões de pessoas desempregadas, durante o dia 22 de maio, moradores de diversas periferias brasileiras realizarão ações de denúncia e memória pelos trabalhadores e trabalhadoras que não tiveram o direito ao isolamento social e foram contaminados na busca por uma renda. As intervenções fazem parte da Jornada de Luta por Trabalho Digno, que acontece durante todo o mês de maio e é realizada pelo Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD).

Durante a manhã, faixas denunciando a responsabilidade do governo Bolsonaro pela má gestão da pandemia e pelo alto nível de desemprego serão expostas em pontos turísticos e simbólicos em diversas capitais brasileiras, como Brasília, Recife e Belo Horizonte.

Ao longo do dia também será realizado o “batismo/rebatismo popular” de ruas e praças nas periferias destas cidades, com o nome de trabalhadores e trabalhadoras que faleceram ao se exporem ao vírus, por falta de suporte estatal que garantisse o isolamento social, como resultado da precarização do trabalho e desvalorização da vida atuais que impuseram péssimas condições aos moradores das periferias brasileiras.

O MTD também lançará o Manifesto Nacional Por Trabalho Digno, com o mote “Sem Trabalho Digno, Não Há País, Não Há Esperança, Não Há Futura”. O movimento cobra do Estado a construção de planos de criação de empregos e pontos regulares de trabalho (espaços na cidade autogestionados pelo povo, de empreendimentos populares, em ramos diversos e com apoio governamental ) e o fim da retirada de direitos trabalhistas para as pessoas com carteira de trabalho, ou não, e, por fim, que se desenvolvam mecanismo de inclusão de homens e mulheres, para que não haja mais trabalhadoras ou trabalhadores excluídos!

A Jornada de Luta por Trabalho Digno realizou outras atividades durante o mês de maio, como: entrega de alimentos para famílias em situação de insegurança alimentar; formação de turmas de Ensino de Jovens e Adultos com trabalhadoras de serviço doméstico; live sobre a precarização do trabalho e lançamento de cozinhas comunitárias geridas por mulheres das periferia.

*Leia o Manifesto Por Trabalho Digno completo:

https://drive.google.com/file/d/1SZMiKFHcVigopqsoWEb0J_81snC-VA88/view?usp=sharing

Sobre o Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD)

Com atuação em todo o Brasil, o Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos surgiu no ano 2000 como uma alternativa para enfrentar os ataques do neoliberalismo, com o objetivo de organizar a população desempregada. Atualmente, tem como protagonistas as trabalhadoras e trabalhadores, desempregados ou não, que vivem nas periferias dos centros urbanos e lutam diariamente por melhorias de vida e acesso à direitos fundamentais garantidos pela Constituição Brasileira.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.