Movimentos sociais de BH denunciam abandono de maternidade Leonina Leonor por parte da Prefeitura

Funcionários municipais teriam participado da depredação de quartos do edifício, cujo projeto original deveria permitir a realização de partos humanizados, mas que já não contará com essa estrutura

Um grupo de cerca de 30 mulheres realizou um ato nesta quinta-feira (28) no edifício da maternidade Leonina Leonor, na região de Venda Nova, em Belo Horizonte, para reclamar do abandono do projeto original da maternidade por parte da Prefeitura da capital mineira.

A iniciativa aconteceu em reação a denúncias realizadas por moradoras da região, de que funcionários municipais teriam realizado destroços em vários quartos do edifício, no que seriam os primeiros trabalhos de uma reforma do local, que seria transformado em um novo centro de saúde.

O problema é que a maternidade Leonina Leonor tinha um projeto original que previa uma estrutura que a tornaria referência nacional em partos humanizados – suas banheiras especiais que permitiriam realizar até 500 partos humanizados por mês, através do SUS (Sistema Único de Saúde), e já foram retirados pelos funcionários municipais.

Além disso, a reforma da maternidade não teria sido aprovada pelo Conselho Municipal de Saúde, o que tornaria a ação da Prefeitura ilegal.

“Essa maternidade foi aprovada na 14ª Conferência Municipal de Saúde, com a participação de mais de duas mil pessoas, e foi uma das propostas mais votadas. Ela está no Plano Municipal de Saúde 2018/2021 e nos instrumentos e relatórios de gestão, planejamento do SUS. A prefeitura não pode simplesmente modificar isso sem consulta e aviso prévio”, declarou Carla Anunciatta, presidenta do Conselho.

Além de Anunciatta, participaram do protesto representantes de movimentos sociais da região, além da presidenta do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Carla Anunciatta. e das vereadoras Sônia Lansky (PT), Isa Lourença (PSOL) e Bella Gonçalves (PSOL).

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR