Pelo menos 15 pessoas testemunharam tortura e asfixiamento de João Alberto

Beto foi asfixiado por 4 minutos após agressão dos seguranças. Ao menos 15 pessoas podem ser vistas em novo vídeo da câmera de segurança quando ele se mexe pela última vez

Novas imagens de câmeras internas da loja do Carrefour em Porto Alegre divulgadas pela Folha de S.Paulo neste domingo (22) revelam que ao menos 15 pessoas presenciaram a sessão de espancamento, tortura e asfixiamento de João Alberto Silveira Freitas pelos dois seguranças do supermercado que estão presos pelo brutal assassinato do homem negro, de 40 anos.

Beto foi asfixiado por 4 minutos, após a sessão de tortura e agressão dos dois seguranças.

O vídeo, gravado pela câmera que fica em frente à porta por onde Beto deixou o mercado e passou a ser agredido pelos seguranças, tem 17 minutos e mostra que pelo menos 15 pessoas assistiam a cena, sem nenhuma tentativa de intervenção, quando o homem se mexeu pela última vez, quando ainda estava imobilizado por um dos seguranças que pressionava o joelho sobre suas costas.

Durante a agressão, dezenas de pessoas passaram pelo local e também não intervieram. Uma das testemunhas é a fiscal, Adriana Alves Dutra, que aparece também em um vídeo obtido pela Folha intimidando testemunhas que filmavam a agressão.

Questionada sobre o motivo da agressão brutal, a funcionária do Carrefour disse: “Se você conseguir acalmar ele, eu tiro todo mundo de cima dele”.

Assista ao vídeo no site da Folha de S.Paulo

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.