O que o brasileiro pensa?
03 de julho de 2020, 22h42

Zona Sul de São Paulo tem ato antifascista e antirracista no sábado

Protestos começam às 10h no Largo 13 de Maio e seguem até a estação Borba Gato do metrô

Protesto antifascista e antirracista realizado em Brasília no dia 7 de julho | Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Partidos políticos de esquerda, sindicatos e movimentos sociais estão organizado um ato da Frente Antifascista e Antirracista da Zona Sul, neste sábado (4), em São Paulo (SP). A região também começa o debate sobre a necessidade de unificar as lutas e organizar a resistência à atual conjuntura política do país.

A concentração começa às 10h, na Praça Floriano Peixoto, em frente à subprefeitura de Santo Amaro e a caminhada, seguida de grupo de ciclistas e carreata, vai até a estação Borba Gato do metrô, na Avenida Santo Amaro.

O ato é organizado pela Frente Antifascista e Antirracista da Zona Sul e pelo Fora Bolsonaro, representantes do PT, PSOL, PCdoB, PSB e PCO, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Sindicato dos Químicos e Farmacêuticos de São Paulo, Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Centro de Cidadania da Zona Sul/Cecasul, Comitê de Lutas de Cidade Ademar e Pedreira, Sarau dos Trabalhadores e Fórum Regional de Saúde Sul.

A Zona Sul é a segunda região mais populosa da cidade de São Paulo, com com cerca de 2,72 milhões de habitantes, e foi muito atingida pela pandemia e pela não-política do presidente Jair Bolsonaro.

Relatório da Rede Nossa São Paulo, divulgado há poucos dias, mostra que, dos dez bairros com mais casos e mortes por Covid-19, sete estão na Zona Sul. Dois deles, Jardim Ângela e Grajaú, são também os que concentram mais moradores autodeclarados pretos e pardos: respectivamente, 64% e 56,8% de seus habitantes.

Além disso, das cinco grandes áreas das subprefeituras da cidade, as três com maior número de residências em favelas estão na zona Sul: Campo Limpo (59.483 moradias), M’Boi Mirim (42.350) e Cidade Ademar (25.468). As estatísticas, da Secretaria Municipal de Habitação (SEHAB), excluem os núcleos “urbanizados” e as inúmeras ocupações ainda “invisíveis”.

A região também apresenta o índice de desemprego mais elevado da capital (15,5%, diante da média de 12,8% do município), enquanto o número de habitantes formados em curso superior é o mais baixo, proporcionalmente (10%, para 34,1%), segundo pesquisa divulgada em janeiro pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade).

Segundo os organizadores, todos os participantes estão sendo orientados a usar máscaras, levar álcool em gel e manter distância segura uns dos outros de no mínimo 1,5 metros. O Centro de Cidadania da Zona Sul (Cecasul) fará distribuição gratuita de máscaras.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum