Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
01 de janeiro de 2020, 15h38

Com 35 casos de feminicídio em 2019, Uruguai decreta emergência por violência de gênero

Em 2018, o Brasil registrou 1206 feminicídios. Governo uruguaio a violência de gênero exige uma modificação das matrizes culturais do país, "que apoiam laços autoritários e de dominação sobre meninas, meninos, adolescentes e mulheres de todas as idades”

Foto: Agência Brasil

O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, decretou nesta terça-feira (31) estado de emergência nacional por violência de gênero após o assassinato de três mulheres na noite de Natal.

De acordo com a Coordenação de Feminismos do Uruguai, apenas em 2019, 35 mulheres foram assassinadas por seus parceiros ou ex-parceiros, número muito aquém do registrado no Brasil. Para efeito comparativo, em 2018, segundo dados Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal), foram registrados 30 casos de feminicídio no Uruguai, enquanto no Brasil esse número chegou a 1206.

O Subsecretário da Presidência do Uruguai, Juan Andrés Roballo, informou que medidas dentro da estrutura da Lei Integral de Gênero serão tomadas.

O governo afirmou que divulgará amplamente campanhas de conscientização e realizará cursos virtuais para “a promoção de masculinidades não violentas”, destinados a educadores formais e não formais, para incentivar mudanças nos padrões socioculturais e contribuir para a prevenção da violência de gênero.

Roballo afirmou que é necessária uma transformação cultural no país, “onde o Estado, as organizações sociais, além de todos os membros da comunidade, principalmente os homens, têm a obrigação de rever comportamentos cotidianos”.

Segundo ele, o combate à violência de gênero exige uma modificação das matrizes culturais do país, “que apoiam laços autoritários e de dominação sobre meninas, meninos, adolescentes e mulheres de todas as idades”.

Além disso, Roballo se comprometeu a organizar uma reunião com o Supremo Tribunal de Justiça e o Procurador Geral para promover maior eficiência no acesso de meninas e mulheres à justiça.

Com informações da Agência Brasil

 

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum