Luisa Mell entra com pedido de prisão provisória do ex-marido

A defesa da ativista afirma que ela corre risco de morte, sofre ameaças constantes, está "apavorada", "chora o dia inteiro" e tem medo de sair de casa

A equipe jurídica de Luisa Mell protocolou nesta segunda-feira (11) um pedido de prisão provisória contra o ex-marido dela, o empresário Gilberto Zaborowsky.

Trata-se de um recurso em caráter de urgência feito à Vara Central da Violência Doméstica Contra a Mulher, no Tribunal de Justiça de São Paulo, que foi realizado com base na Lei Maria da Penha.

De acordo com o advogado Ângelo Carbone, que representa Luisa Mell, as medidas protetivas adotadas até este momento não abrandaram a situação da ativista.

Luisa Mell fez um boletim de ocorrência contra o ex-marido no final de setembro. Em depoimento à polícia, ela afirma ser vítima de relacionamento abusivo.

A defesa de Luisa Mell teme pela vida dela e acredita que o ex-marido pode até mesmo matá-la.

Por meio de suas redes, Luisa Mell fez uma denúncia onde revela que o ex-marido faz ameaças constantes à sua integridade física.

Outra questão que consta no documento da defesa, é o fato de Zaborowski ameaçar “sumir do Brasil” com o filho do casal, que tem 6 anos.

À Folha, a defesa de Luisa Mell revelou que ela está “apavorada”, “chora o dia inteiro”, tem medo de sair de casa e não consegue dormir.

Publicidade

Luisa Mell anunciou em julho deste ano que estava se separando de Gilberto Zaborowsky, com quem ficou casada 10 anos.

“Sofri todos os tipos de abusos psicológicos e emocionais dentro de casa”

A militante da causa animal Luisa Mell usou as redes sociais para falar e denunciar as violências que viveu em seu casamento e criticou a o fato de os homens abusadores sempre serem tratados como vítimas.

Publicidade

“Sempre que lemos notícias de mulheres abusadas, imaginamos isso com as outras, nunca dentro da nossa casa. Infelizmente, violência contra a mulher é uma cultura. Coloca-se o estuprador como vítima, pois ‘a mulher provocou’, coloca-se o agressor como inocente, pois ‘a mulher mereceu apanhar’”, disse.

A ativista também destacou que “agressão também se faz com palavras, atitudes e manipulações e nem sempre quem está presa em um relacionamento abusivo percebe isso”.

“Eu sou uma dessas mulheres. Muitas vezes, pensava em sair de casa, mas ia ficando. Questionava se não era eu a louca, como ele sempre afirmava quando eu tentava resistir aos abusos, se tudo aquilo realmente acontecia sem conseguir enxergar o relacionamento abusivo que sofria estando dentro dele”, revela Luisa Mell.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR