Médico bolsonarista faz piada misógina com muçulmana: “Elas gostam do bem duro”

Defensor do "tratamento precoce" contra a Covid-19, Victor Sorrentino gravou rosto de atendente e postou nas redes. Após críticas, pediu desculpas. "Sou muito brincalhão", disse

O médico Victor Sorrentino, eleitor do presidente Jair Bolsonaro, foi alvo de críticas nas redes sociais após compartilhar um vídeo em que faz uma “piada” misógina com uma mulher muçulmana, que não dominava bem o português. Em viagem ao Egito, o médico gravou o rosto da funcionária de uma loja e fez perguntas sexistas a ela.

A mulher explicava a ele como são produzidos os papiros, materiais semelhantes ao papel muito utilizados pelos antigos egípcios para escrever. “Elas gostam é do bem duro. Comprido também fica legal, né?”, perguntou o médico à atendente, aos risos. “O papiro comprido”, completou.

“Si”, respondeu a mulher, em espanhol. “Tá! Maravilha”, disse o médico. Na sequência, ele insistiu na pergunta sexista: “Vocês gostam mesmo é do bem duro, né?”.

Após as críticas, o médico postou um novo vídeo nas redes sociais com a mulher, desta vez pedindo desculpas. “Eu sou assim. Sou um cara muito brincalhão”, disse Sorrentino a ela. Ele alegou que costuma fazer esse tipo de “brincadeira” com amigos e familiares, mas que não tinha o direito de fazer com uma desconhecida.

“Como eu vi que tu é uma pessoa risonha e estava brincando junto com a gente, eu acabei brincando”, justificou.

Victor Sorrentino ficou conhecido na pandemia da Covid-19 por defender o chamado “tratamento precoce” contra a doença, com o uso de medicamentos sem eficácia comprovada. Em entrevista ao portal bolsonarista Terça Livre, ele disse que os “medicamentos são conhecidos” e que “não causam risco nem prejuízo”.

Notícias relacionadas

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR