Médium Paulinho de Deus é preso por estupro de vulnerável; vítima diz que foi abusada por 22 anos

Além da ex-enteada, outras duas mulheres procuraram a Delegacia da Mulher de Catanduva, em SP, para relatar abusos

O médium e diretor do Centro Espírita Beneficente Paulo de Tarso, Paulo Roberto Roveroni, conhecido como Paulinho de Deus, foi preso preventivamente em Catanduva, no interior de São Paulo, na última quinta-feira (4). Ele é acusado de estupro pela ex-enteada, que conta ter sofrido abusos por 22 anos.

A jovem, hoje com 24 anos, contou ao G1 que os estupros começaram quando ela tinha apenas dois anos. “Ele ficava pelado na minha frente e colocava minha mão no pênis dele”, ressalta.

“Esses abusos, estupros, foram progredindo. Ele era meu padrasto, e ainda pior, dirigente da associação. Então, ele sempre foi uma pessoa conhecida, considerado caridoso, educado, que ajuda os pobres”, completa.

A ex-enteada do médium conta ainda que o homem usava a religião para manipulá-la e continuar os abusos. “Ele sempre usou uma manipulação psicológica muito forte comigo, muito bem embasada. Usava sempre a religião e as obras assistenciais que ele fazia na associação como forma de passar toda essa lavagem cerebral também. Eu fui estuprada por muitos anos assim por não entender o que era errado”, disse.

Depois da prisão de Paulinho de Deus, outras duas mulheres procuraram a Delegacia de Defesa da Mulher de Catanduva para relatar abusos sofridos e denunciar o médium. A informação é do Universa.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.