Menos da metade das mulheres negras brasileiras exerce trabalho remunerado

Entre as que trabalham, metade já escutou piadas racistas no ambiente de trabalho. Apenas 8% delas ocupam cargos de liderança

A maioria das mulheres negras no Brasil não exerce trabalho remunerado. De acordo com uma pesquisa realizada pela consultoria Indique Uma Preta e pela empresa Box1824, divulgada em reportagem da Folha de S.Paulo, 54% das entrevistadas afirmaram não exercer trabalho remunerado e 39% estão em busca por emprego.

Dados como esses mostram a importância de ações afirmativas para incluir pessoas negras no mercado de trabalho, como o programa de trainee para negros da Magazine Luiza. As responsáveis pelo levantamento também destacam a necessidade das empresas estarem atentas à evolução desses funcionários na carreira, já que apenas 8% das mulheres negras ocupam cargos de gerente, diretora ou sócia proprietária.

Além das dificuldades de acesso ao mercado de trabalho e evolução na carreira, mulheres negras que trabalham também sofrem com piadas racistas durante o expediente. Das entrevistadas, 51% relataram já ter escutado piadas relacionadas a cor, cabelo ou aparência no ambiente de trabalho.

Ainda, 49% disseram já terem se sentido desqualificadas profissionalmente, mesmo tendo a formação necessária para o cargo, e 37% contaram que tiveram uma opinião, posicionamento ou ideia silenciada, enquanto a opinião de pessoas brancas eram ouvidas ou valorizadas.

A pesquisa “Potências (in)visíveis: a realidade da mulher negra no mercado de trabalho” ouviu 1 mil mulheres negras, com idades entre 18 e 65 anos, entre março e setembro deste ano.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.