Fórumcast, o podcast da Fórum
08 de agosto de 2018, 09h07

Senado da Argentina vota lei de despenalização do aborto

Em votação que deve se estender pela madrugada de quinta, os parlamentares decidem se vão despenalizar o aborto até a 14ª semana. Projeções indicam vitória apertada do SIM: 37 x 32 pela aprovação

Nesta quarta-feira, o Senado argentino vota uma das decisões mais importantes de sua história. Em votação que deve se estender pela madrugada de quinta, os parlamentares decidem se vão despenalizar o aborto até a 14ª semana. Projeções indicam vitória apertada do SIM: 37 x 32 pela aprovação, com 3 senadores indecisos. Porém, a margem a favor da aprovação diminui a cada dia.

Não houve consenso sobre a redução do teto de 14 para 12 semanas, interrupção apenas por decisão da mãe e a objeção de consciência para instituições e médicos. Desse modo, o texto a ser aprovado pelos senadores é o mesmo aprovado pela Câmara dos Deputados em junho.

Comandada pelo papa Francisco, um argentino, houve grande pressão da Igreja Católica. A chamada bancada celeste (antiaborto) foi ganhando novos adeptos, em detrimento da bancada verde, dos favoráveis à medida. “Mesmo que o projeto seja derrotado na quarta, conseguimos mobilizar um movimento que não tem volta”, diz a escritora Claudia Piñeiro, uma das líderes do movimento a favor da lei.

A Anistia Internacional fez um apelo aos senadores para que aprovassem a lei, em um comunicado publicado nesta terça (7) em 134 jornais internacionais.Pela lei atual, o aborto é possível no país vizinho  em três situações: risco de vida para a mãe, má-formação do feto e estupro, além de prever pena de quatro anos de prisão para quem realizá-lo de forma clandestina.

Maioria no Senado, o bloco kirchnerista havia fechado questão para votar a favor. Mas a senadora Silvina Larraburu acabou mudando de ideia porque crê que o presidente Mauricio Macri irá capitalizar uma possível vitória. Mesmo no Executivo, há divisões. Macri, e a vice, Gabriela Michetti, que presidirá a sessão como chefe do Senado, são contra o recurso. Alguns ministros são a favor, como Adolfo Rubinstein (Saúde), Lino Barañao (Ciência) e Nicolás Dujovne (Fazenda).

O presidente Macri calcula que dar apoio ao debate seria um gesto aos eleitores de esquerda e centro-esquerda, além de fazê-lo luzir como líder moderno. Macri se comprometeu a não vetar a lei caso seja aprovada pelo Congresso.

Os grupos feministas prometem mobilização durante a sessão que votará o projeto. A esperança desses grupos é que os senadores se intimidem diante do tamanho da frustração que encontrarão nas ruas quando saírem do recinto, caso vetem a lei. Na votação na Câmara de Deputados, havia cerca de 800 mil pessoas do lado de fora do Congresso, segundo a polícia. As líderes feministas agora estimam uma participação maior, de 2 milhões.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum