Imprensa livre e independente
10 de março de 2019, 11h12

Na noite das campeãs, carnavalesco da Mangueira diz que desfile “é um recado para a sociedade”

Campeã do Carnaval carioca foi criticada pelo deputado Rodrigo Amorim (PSL/RJ), que quebrou a placa de Marielle e vê no enredo "doutrinação ideológica que chegou às escolas de samba, com narrativas que são frutos da dominação gramscista na cultura que critico veementemente"

Foto: Reprodução TV Globo
Responsável por chacoalhar o ativismo no campo progressista ao levar a Estação Primeira de Mangueira ao seu 20º título do Carnaval carioca, o carnavalesco Leandro Veira Jr. disse neste domingo (10) que “o desfile da Mangueira é um recado para a sociedade brasileira”. “Eu acho que o desfile da Mangueira é um recado para a sociedade brasileira, que tem passado por um momento que não reconhece a força da identidade indígena, a força da identidade negra e dos pobres deste país”, disse Vieira, durante o desfile das campeãs. Leia também: Vitória da Mangueira sacramenta derrota de Bolsonaro no Carnaval Segundo ele,...

Responsável por chacoalhar o ativismo no campo progressista ao levar a Estação Primeira de Mangueira ao seu 20º título do Carnaval carioca, o carnavalesco Leandro Veira Jr. disse neste domingo (10) que “o desfile da Mangueira é um recado para a sociedade brasileira”.

“Eu acho que o desfile da Mangueira é um recado para a sociedade brasileira, que tem passado por um momento que não reconhece a força da identidade indígena, a força da identidade negra e dos pobres deste país”, disse Vieira, durante o desfile das campeãs.

Leia também: Vitória da Mangueira sacramenta derrota de Bolsonaro no Carnaval

Segundo ele, “o enredo da Mangueira é um enredo de valorização da cultura popular e isso é fundamental para o Brasil de hoje”.

Na volta à Sapucaí, a escola que fez uma releitura da história do Brasil a partir da visão de “índios, negros e pobres” no enredo “História pra Ninar Gente Grande” foi ovacionada pelo público e recebeu críticas de simpatizantes da direita e do governo Jair Bolsonaro (PSL), um dos principais alvos da campeã do Carnaval.

Veja também:  Olavo: militares queriam usar Bolsonaro como instrumento transitório para instalação de um governo "chavista"

Perto do fim do desfile, a minutos de amanhecer, parte do público invadiu a pista e se mesclou aos componentes da escola. Dali saiu um breve coro de “ei, Bolsonaro, vai tomar no cu”. Na arquibancada, a certa altura, duas faixas bilíngues contra Bolsonaro: uma que dizia “orgulho do Carnaval – vergonha do presidente”, a outra, “proud of the Carnival – ashamed of the president”.

Responsável por elas, o coletivo mineiro Alvorada distribuiu ao longo da noite adesivos onde se lia “me beija que eu não votei no Bozo” (apelido do presidente entre seus detratores) e cartazes, de novo em português e inglês, com “Carnaval contra Bolsonaro” e “Carnival against Bolsonaro”. Faixas de “Lula Livre” também foram erguidas.

Doutrinação ideológica
Representando a direita, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL/RJ), que quebrou a placa de Marielle durante a campanha, disse que não gostou.

Para ele, o tema mangueirense surfou na “doutrinação ideológica que chegou às escolas de samba, com narrativas que são frutos da dominação gramscista na cultura que critico veementemente”.

Veja também:  Regina Duarte critica diretor bolsonarista: “tem extrapolado em declarações polarizadas”

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum