Imprensa livre e independente
13 de agosto de 2017, 14h18

Na vanguarda, PUC-SP inaugura banheiro unissex; preconceituosos se revoltam

Uma das universidades mais tradicionais e respeitadas do país, a PUC se torna a primeira de São Paulo a aderir a um banheiro sem restrição alguma de gênero e identidade. Novidade foi comemorada por alunos e comunidade acadêmica em geral mas, no Facebook, há “cidadãos de bem” revoltados destilando moralismo  Por Redação A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) inaugurou, na última sexta-feira (11), um banheiro unissex – ou seja, não há restrição alguma de gênero, identidade ou orientação sexual para o uso. Trata-se da primeira universidade de São Paulo a aderir, oficialmente, a um banheiro do tipo –...

Uma das universidades mais tradicionais e respeitadas do país, a PUC se torna a primeira de São Paulo a aderir a um banheiro sem restrição alguma de gênero e identidade. Novidade foi comemorada por alunos e comunidade acadêmica em geral mas, no Facebook, há “cidadãos de bem” revoltados destilando moralismo 

Por Redação

A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) inaugurou, na última sexta-feira (11), um banheiro unissex – ou seja, não há restrição alguma de gênero, identidade ou orientação sexual para o uso. Trata-se da primeira universidade de São Paulo a aderir, oficialmente, a um banheiro do tipo – demanda que já reivindicada há anos por estudantes e movimentos LGBTs de inúmeras faculdades.

A novidade foi anunciada pela página oficial da instituição no Facebook.

“A PUC-SP, atenta à diversidade de sua comunidade universitária, composta por alunos, professores e funcionários, buscou contemplar a todos com a implementação de um banheiro unissex. A Instituição ressalta que estes sanitários são de uso comum, não direcionados a públicos específicos”, escreveram.

Apesar de a adesão ao banheiro unissex ter sido comemorada por alunos e professores, internautas que seguem a página da universidade no Facebook, se dizendo “cidadãos de bem”, se revoltaram. Uma mulher, por exemplo, achou “incoerente” uma universidade católica prezar pela diversidade e perguntou: “Cadê os padres dessa faculdade?”. Entre um moralismo e outro, houve quem escreveu “quero só ver quando começar a putaria” e, outros, foram ainda mais longe: “Essa é a verdadeira cultura do estupro”.

Veja também:  Editor do The Intercept Brasil rebate Merval Pereira: “Não é jornalista”

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum