Imprensa livre e independente
30 de julho de 2017, 13h46

Nando Reis: “Eu estou há um bom tempo sóbrio. E me mantenho vigilante”

Nando disse ainda que passou a consumir mais drogas depois que a mãe morreu, em 1989.

Nando disse ainda que passou a consumir mais drogas depois que a mãe morreu, em 1989. Da Redação* Em entrevista à coluna de Mônica Bérgamo, publicada neste domingo (30), na Folha, o roqueiro Nando Reis falou, entre vários assuntos, sobre a sua luta contra as drogasse a sua relação com a mãe, que morreu quando ele estava no auge da carreira com os Titãs. “A mamãe morreu em seis meses, de um câncer fulminante. Foi rápido e inesperado. Eu tinha 26 anos. Os Titãs tinham estourado e eu já estava na estrada, deslumbrado, “noossa, é isso o que eu quero”,...

Nando disse ainda que passou a consumir mais drogas depois que a mãe morreu, em 1989.

Da Redação*

Em entrevista à coluna de Mônica Bérgamo, publicada neste domingo (30), na Folha, o roqueiro Nando Reis falou, entre vários assuntos, sobre a sua luta contra as drogasse a sua relação com a mãe, que morreu quando ele estava no auge da carreira com os Titãs.

“A mamãe morreu em seis meses, de um câncer fulminante. Foi rápido e inesperado. Eu tinha 26 anos. Os Titãs tinham estourado e eu já estava na estrada, deslumbrado, “noossa, é isso o que eu quero”, dinheiro, fama. A gente [Titãs] estava gravando o disco “Õ Blés Blom”. Eu me lembro que fui para o Rio de Janeiro e fiquei muito triste lá. Muito, muito [contém as lágrimas]. Ela faz falta até hoje. Eu era muito apaixonado por ela. Muito”, conta.

Nando disse ainda que passou a consumir mais drogas depois que a mãe morreu.

“É natural que a gente queira se anestesiar. Eu estou há um bom tempo sóbrio. E me mantenho vigilante. Fiquei um ano e meio sem beber, voltei, estou agora há um ano e um mês. Eu já bebi muito e foi ruim. Atrapalhou a minha vida profissional, a vida familiar. Eu já bebi tudo o que precisava. A relação com o álcool e as drogas sempre me tornou autocentrado, acuado. Não há um que escape ileso do uso abusivo. Já a sobriedade e a lucidez abrem janelas. Eu estou muito feliz, mesmo”, comemora.

Veja também:  Pilar del Río, após visita a Lula: "Vi um homem que mantém capacidade de liderança no Brasil e no mundo"

Sobre a relação entre o consumo de álcool e a produção musical, ele revelou ainda: “Eu achava que tinha. Sempre sofri da tal síndrome do papel em branco. O uso do álcool tinha essa ignição de sair da inércia, de dar início [à composição]. E se confundiu a ideia de que o estado de embriaguez propiciava uma qualidade de criação. “Bullshit” [besteira]. Nada a ver. Eu hoje trabalho igualmente”, finalizou.

*Com informações da coluna de Mônica Bérgamo

Foto: Divulgação

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum