Imprensa livre e independente
17 de fevereiro de 2018, 10h04

Não houve explosão de violência no Carnaval do Rio, garante ISP

Temer usou a violência no Carnaval deste ano como um dos motivos que o levou a baixar o decreto da intervenção militar no estado do Rio de Janeiro, mas dados oficiais mostram que as ocorrências diminuíram, fazendo sua justificativa cair por terra

Foto: Alexandre Vidal/RioTur
“As cenas do Carnaval revelaram uma agressividade muito grande e uma desorganização social e até moral muito acentuada. As pessoas lá não têm mais limites”, disse o presidente Michel Temer em uma das entrevistas que concedeu, nesta sexta-feira (16), sobre as motivações do decreto que baixou que dá às Forças Armadas o controle da Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro. O emedebista usou a suposta explosão da violência no Rio durante o Carnaval como a principal justificativa para a decisão de recorrer à intervenção militar. Ao longo do feriado, a Globo bombardeou seu noticiário com notícias sobre o...

“As cenas do Carnaval revelaram uma agressividade muito grande e uma desorganização social e até moral muito acentuada. As pessoas lá não têm mais limites”, disse o presidente Michel Temer em uma das entrevistas que concedeu, nesta sexta-feira (16), sobre as motivações do decreto que baixou que dá às Forças Armadas o controle da Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro.

O emedebista usou a suposta explosão da violência no Rio durante o Carnaval como a principal justificativa para a decisão de recorrer à intervenção militar. Ao longo do feriado, a Globo bombardeou seu noticiário com notícias sobre o suposto “caos” na folia carioca.

Dados oficiais divulgados por órgãos oficiais, no entanto, fazem a justificativa de Temer cair por terra. O número de ocorrências no Carnaval deste ano (5.865) se manteve próximo ao ano passado (5.773), quando a Polícia Civil estava em greve, e foi bem menor que em anos anteriores em que a comparação é mais justa, já que tanto a Polícia Militar quanto a Civil estavam atuando. Para se ter uma ideia, em 2016 foram 9.016 ocorrências e, em 2015, 9.062.

Veja também:  Raquel Dodge convoca Dallagnol para dar explicações sobre conduta na Lava Jato, diz O Antagonista

“Foi um carnaval muito parecido com o dos outros anos. Estou segura em dizer que não houve nenhuma explosão de violência neste ano”, afirmou ao jornal Estadão a diretora-presidente do Instituto de Segurança Pública do Rio (ISP), Joana Monteiro.

De acordo com Monteiro, apesar de o estado sofrer, sim, com a violência, a sensação de insegurança aumenta por conta da “narrativa” vendida pela mídia.

“Houve a vinculação de vários vídeos, imagens muito violentas, então a sensação de segurança de segurança de todo mundo vai para o espaço. É claro que importa, mas os dados são os nossos melhores parâmetros para ver o que acontece de fato. Não é um retrato fiel de tudo o que aconteceu no Rio, mas é o que as pessoas registraram e um parâmetro mais objetivo do que a gente está vivendo”, afirmou.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum