Imprensa livre e independente
08 de junho de 2019, 15h18

Necromancia: O desgoverno Bolsonaro no coração das trevas

Leia no novo artigo de Marcos Danhoni: "Sem projetos de governo, Bolsonaro e sua Máfia de Milicianos prosseguem na única missão que prometeram e deixaram claro desde o início: a DESTRUIÇÃO!"

Por Marcos Danhoni* “O horror! O horror!” (“O Coração das Trevas”, Joseph Conrad)   Quase seis meses de desgoverno absoluto sucedido pelo golpe parlamentar-jurídico-midiático de 2016 e vitorioso nas urnas destroçadas pelo impulsionamento criminoso de fake news de 2018 (e tolerado pelo TSE e STF). Sem projetos de governo, Bolsonaro e sua Máfia de Milicianos (assassinos de Marielle e Anderson) prosseguem na única missão que prometeram e deixaram claro desde o início: a DESTRUIÇÃO! Neste sentido podemos qualificar o desgoverno como um “governo apocalíptico” (assim como quis essa massa ignara de neopentecostais e carismáticos que vêem no Apocalipse de todos,...

Por Marcos Danhoni*

“O horror! O horror!”

(“O Coração das Trevas”, Joseph Conrad)

 

Quase seis meses de desgoverno absoluto sucedido pelo golpe parlamentar-jurídico-midiático de 2016 e vitorioso nas urnas destroçadas pelo impulsionamento criminoso de fake news de 2018 (e tolerado pelo TSE e STF).

Sem projetos de governo, Bolsonaro e sua Máfia de Milicianos (assassinos de Marielle e Anderson) prosseguem na única missão que prometeram e deixaram claro desde o início: a DESTRUIÇÃO!

Neste sentido podemos qualificar o desgoverno como um “governo apocalíptico” (assim como quis essa massa ignara de neopentecostais e carismáticos que vêem no Apocalipse de todos, a forma da redenção pelos seus vis crimes, que eles denominam singelamente de “pecados”). Podemos dar-lhe uma nova definição: o governo da NECROMANCIA!

Na verdade, “Necromancia” pode ser definida como uma “arte” de se comunicar com os mortos, evocando seus corpos putrefatos para assombrar os vivos.

O desgoverno Bolsonaro é o instigador de uma famosa frase de Luis Buñuel, em seu “Anjo Exterminador”: “é preferível a morte a este ambiente tão descuidado”!

Ligando “Necromancia”, “Apocalipse” e “Anjo Exterminador”, podemos classificar Bolsonaro como o des-intérprete de uma suposta civilização brasileira que um dia encontrou (e hoje a perdeu…), mesmo em suas mazelas, as belezas escondidas da vida e seu sonho por uma democracia ativa e participativa, socialmente justa e igualitária.

Veja também:  Bolsonaro publica vídeo de Trump elogiando o filho Eduardo e recebe enxurrada de críticas de seguidores

Vejamos o que suporta essa interpretação:

– um projeto de aposentadoria que fomentará o trabalho incansável de vidas que serão fatalmente abreviadas;

– o suicídio de idosos que estarão na conta deste criminoso Projeto de (Não) Aposentadoria;

– a remoção dos radares estradais (no Brasil morriam por ano cerca de 45 mil pessoas – com os radares – e agora, com a falta deles?);

– a não multa para motoristas que dirigirem com crianças nos bancos dianteiros ou sem a cadeirinha de bebê (milhares e milhares de crianças e bebês morrerão em consequência da falta delas). A 1ª Lei de Newton (Lei da Inércia), que Bozo deve conhecer, está sendo implementada em sua forma mais cruel, para permitir, por meio de acidentes estradais e dentro de municípios, a extinção da vida desde a sua mais tenra infância);

– a destruição do Programa MAIS MÉDICOS;

– a destruição em larga escala do SUS;

– a destruição do FARMÁCIA POPULAR;

– a demora ou mesmo extinção na distribuição de remédios de alto custos para doenças graves e de alto risco;

Veja também:  Kim Kataguiri, do MBL, sai em defesa de Danilo Gentili por "patrulha politicamente incorreta da direita"

– os programas de vacinações em massa destruídos;

– a liberação de agrotóxicos que chegam a mais de 200 produtos reprovados em todo o mundo;

– a criminalização de movimentos sociais;

– a destruição em larga escala do meio ambiente;

– o impulsionamento, via Sergio Moro, do excludente de ilicitude, fomentando o homicídio indiscriminado por parte de policiais;

– a liberação de até 4 armas por “cidadão”, além de 5 mil munições/ano;

–  a criminalização das universidades e da profissão de professor, instigando a violência de pais e alunos contra os docentes e as Instituições de ensino;

– o projeto de “home schooling” (educação domiciliar), de Damares Alves, que permitirá a não socialização de crianças e as deixarão expostas ao abuso sexual (e assassinatos) por parte de familiares e vizinhos;

– a internação compulsória de pessoas dependentes, alimentando uma rede de instituições neopentecostais aliadas do governo, numa verdadeira recriação dos Manicômios-prisões ao estilo daquelas criadas nas décadas de 60 e 70 do século passado (verdadeiros campos de concentração e homicídio em larga escala de pessoas desassistidas).

Todas estas ações, de enorme gravidade, e de potencial altamente letal, estão sendo implementadas de forma sistêmica no Brasil. Bolsonaro, sua famiglia, sua Máfia de Milicianos e sua troupe de descerebrados abraçaram a Morte para instaurar um reino de Terror e Necromancia, tentando reviver nos mortos aquilo que eles sinonimizaram como “Vida” …

Veja também:  No Itamaraty, Eduardo Bolsonaro discute Foro de São Paulo com Ernesto Araújo

Nos antigos idólatras revividos nas Igrejas e Templos daqueles que professam  a “salvação” somente no “outro mundo”, a crença é de que o poder político pode ser retirado dos “Céus”. Porém, para o necromante, este poder é extraído do reino de Hades, do submundo, que eles julgavam renunciar!

Em verdade vos digo: Bolsonaro e todos os seus apoiadores, invocando as Trevas em que estamos mergulhados, transformou a Democracia em Necromancia, e nosso mundo do diálogo e de esperança, num sussurro triste de desesperançado do clássico lamento: “O horror! O horror!”, de Joseph Conrad, em seu “O Coração das Trevas”!

*Marcos Cesar Danhoni Neves é professor titular da Universidade Estadual de Maringá, autor do livro “Do Infinito, do Mínimo e da Inquisição em Giordano Bruno”, entre outras obras

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum