Imprensa livre e independente
29 de abril de 2015, 20h44

No Paraná, policial que não reprime professor é preso

De acordo com a Polícia Militar do Paraná, que atacou manifestantes e professores em frente à Assembleia Legislativa, 17 PMs que se recusaram a participar do cerco foram detidos; prefeito de Curitiba já apelou ao governador tucano, Beto Richa, que mande a polícia parar com a repressão

De acordo com a Polícia Militar do Paraná, que atacou manifestantes e professores em frente à Assembleia Legislativa, 17 PMs que se recusaram a participar do cerco foram detidos; prefeito de Curitiba já apelou ao governador tucano, Beto Richa, que mande a polícia parar com a repressão  Por Redação  Se é possível extrair algum tipo de notícia positiva da manifestação de professores e funcionários públicos no Paraná desta quarta-feira (29) é que nem todos os policiais convocados para reprimir a população concordam com a decisão do governador Beto Richa (PSDB). Ao menos dezessete PMs se recusaram a participar do cerco...

De acordo com a Polícia Militar do Paraná, que atacou manifestantes e professores em frente à Assembleia Legislativa, 17 PMs que se recusaram a participar do cerco foram detidos; prefeito de Curitiba já apelou ao governador tucano, Beto Richa, que mande a polícia parar com a repressão 

Por Redação 

Se é possível extrair algum tipo de notícia positiva da manifestação de professores e funcionários públicos no Paraná desta quarta-feira (29) é que nem todos os policiais convocados para reprimir a população concordam com a decisão do governador Beto Richa (PSDB). Ao menos dezessete PMs se recusaram a participar do cerco contra os manifestantes em frente à Assembleia Legislativa do estado e, por descumprir as ordens, foram presos. As informações foram fornecidas pela própria Polícia Militar ao jornal O Estado de São Paulo.

De acordo com a prefeitura de Curitiba, 213 pessoas que protestavam contra um projeto de lei do governador Richa que altera a previdência dos funcionários públicos ficaram feridas em meio a bombas de gás e balas de borracha desferidas pela PM. Até cachorros pit-bull chegaram a ser utilizados. 

Diante do cenário de guerra, a prefeitura disponibilizou dezenas de agentes de saúde para acolher a população ferida e liberou os funcionários públicos que estavam trabalhando e crianças que estavam nas creches.

Veja também:  Bolsonaro diz que Eduardo fritou hambúrguer nos EUA porque como deputado não tinha como bancá-lo

“Estamos fazendo o possível para atender os feridos na Prefeitura, mas nossa capacidade é limitada. Faço um apelo ao governador, Secretaria de Estado da Segurança Pública e Assembleia. Por favor. Momento é de pacificar. Já temos muitos feridos aqui”, apelou o prefeito Gustavo Fruet (PDT).

Leia também:

Repressão policial contra professores deixa cem feridos em Curitiba 

Foto: Agência Paraná 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum