Imprensa livre e independente
30 de julho de 2018, 22h41

No Roda Viva, Bolsonaro usa questão do trânsito em julgado para defender torturador

Pré-candidato, ferrenho defensor da prisão de Lula, usou o argumento de que ninguém deve ser considerado culpado até o trânsito em julgado para defender o torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra; deputado ainda minimizou a prática de tortura na ditadura militar

Reprodução/TV Cultura
O pré-candidato à presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, voltou a defender Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-Codi que foi reconhecido pela Comissão da Verdade como torturador durante o período da ditadura militar. Em entrevista a jornalistas da bancada do programa Roda Viva, da TV Cultura, Bolsonaro, que é um ferrenho defensor da prisão de Lula, usou o argumento de que “ninguém deve ser considerado culpado antes do trânsito em julgado” para defender Ustra. “Isso não aconteceu com Ustra”, afirmou. Ele usou o preceito constitucional ao responder uma pergunta sobre seu apoio ao militar torturador e como encararia...

O pré-candidato à presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, voltou a defender Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-Codi que foi reconhecido pela Comissão da Verdade como torturador durante o período da ditadura militar.

Em entrevista a jornalistas da bancada do programa Roda Viva, da TV Cultura, Bolsonaro, que é um ferrenho defensor da prisão de Lula, usou o argumento de que “ninguém deve ser considerado culpado antes do trânsito em julgado” para defender Ustra.

“Isso não aconteceu com Ustra”, afirmou. Ele usou o preceito constitucional ao responder uma pergunta sobre seu apoio ao militar torturador e como encararia a questão da tortura em um eventual mandato, caso eleito.

“Nós abominamos a tortura”, disse, minimizando, contudo, a prática de tortura no período da ditadura militar. “Usavam a tortura para conseguir indenizações (…) Se não tivéssemos vencido essa guerra, hoje seriamos uma Cuba”, disse.

No mesmo bloco, Bolsonaro ainda afirmou ser um dos objetivos de seu governo “jogar pesado” contra o MST.

Veja também:  Bolsonaro pode acabar com Ancine por considerar projetos aprovados como “absurdos”

Acompanhe a entrevista ao vivo.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum