Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
13 de dezembro de 2019, 16h54

51 anos do AI-5 – Os ditadores e “guardas da esquina” voltaram ao poder, por Maria do Rosário

A escalada violenta e autoritária, incentivada e consentida pelo governo, somente encontra eco porque o país possui uma cultura violenta

Foto: Reprodução

Por Maria do Rosário*

O 13 de dezembro de 1968 foi o dia em que o Estado brasileiro promulgou o AI-5, autorizando-se a praticar o terror contra seu próprio povo. Sobre a iniciativa, registra a história que até mesmo o vice-presidente do governo ditatorial, Pedro Aleixo, titubeou em empenhar sua assinatura no documento que recrudesceria os atos de violência. Conta-se que foi inquirido sobre sua não assinatura representar desconfiança na alta cúpula de governo e no ditador Costa e Silva, cujos poderes seriam ampliados indefinidamente, pelo que teria respondido: “Desconfio é do guarda da esquina”.

Ora, tivesse compromisso com a democracia, Aleixo não teria estado na função de vice-presidente. Tivesse se arrependido, teria percebido que o ditador e o guarda da esquina que abusa de autoridade, mesmo sem se conhecer, são siameses em atos contra a democracia. A diferença é a escala em que produzem os efeitos da violência.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Esta cultura que constitui o Estado brasileiro pela violência, nunca superada, está agudamente colocada no Brasil de hoje, em afinidade com os anos de chumbo.

Decretado ou não, existem elementos que anunciam o AI-5, e não estão somente na verborragia do filho zero coisa. Mais uma vez, o governante forma pensamentos e move a lógica e os gestos violentos de agentes do Estado contra seu povo.

Em apenas um ano de exercício de Jair Bolsonaro na presidência da República (ou tentativa), é indisfarçável a inspiração fascista que seus pronunciamentos desencadeiam e consolidam, agora realizados desde o mais alto cargo da República.

De fato, nem a solenidade do cargo foi capaz de assegurar responsabilidade a quem lhe exerce. A cascata autoritária e violenta que jorra das palavras e atitudes de não digno dignatário é exemplo de que neste aspecto Pedro Aleixo guardava razão: as decisões e atos violentos de líderes influenciam e potencializam a violência por parte de seus prepostos.

Vejamos:

– O observatório da segurança pública registrou aumento de 46% de mortes por violência policial no Rio de Janeiro no 1º semestre de 2019. Basta lembrar o caso de Evaldo dos Santos Rosa, músico e pai de família, assassinado enquanto dirigia um carro, conduzindo sua esposa e a filha de sete anos, a um chá de bebê. Entre 80 e 200 tiros disparados por soldados do Exército.

– A violência policial contra participantes de um Baile Funk em Paraisópolis, Zona Sul de São Paulo, resultou na morte de nove jovens que tinham entre 14 e 23 anos. As imagens mostram não apenas o uso desproporcional da força contra pessoas desarmadas, inclusive de muletas, mas o uso brutal e desnecessário, cujo resultado foi uma chacina.

– Em São Paulo, um rapaz de 17 anos foi ameaçado de morte por seguranças de um supermercado, submetido à sessão de tortura e até chicotadas após tentar furtar uma barra de chocolate do estabelecimento. Procedimentos violentos e justiçamento que mostram ser o contrário da justiça.

– O mesmo ocorreu no RJ, onde um rapaz comprometido em seu desenvolvimento mental foi morto em um estabelecimento com um golpe “mata leão”. O mesmo golpe que seguranças do metrô de SP usaram contra outro jovem, cujo crime teria sido pedir ajuda para comer.

– Observa-se ainda que o número de lideranças indígenas mortas em conflitos no campo em 2019 foi o maior em 11 anos, segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT), divulgados nesta semana. Lideranças dos movimentos sociais urbanos e do campo estão sob mira dos grupos de extermínio e das milícias, cujas características principais encontram-se em associar o Estado e a ação com o crime.

O empoderamento do fascismo por todo o Brasil afeta principalmente as mulheres. Relatório da Rede de Observatórios, lançado em novembro deste ano, mostra que os casos de feminicídio no Brasil registraram alta de 13%. Apenas em São Paulo, os casos de feminicídio aumentaram 167% no 1º semestre de 2019.

Para além das questões cotidianas, nem por isso menos importantes, é também fundamental questionar o que seria da cruzada contra a liberdade de Lula se um dos fatores que se articulam para viabilizá-la é justamente o empoderamento dos Dallagnois, Moros e outros “guardas da esquina”, dentro deste Estado de exceção?

A escalada violenta e autoritária, incentivada e consentida pelo governo, somente encontra eco porque o país possui uma cultura violenta.

Como nos versos de Chico Buarque, parece que somos feitos dos que gritam “tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria. Filha do medo, a raiva é mãe da covardia”.

Isto não deve ser tolerado. Nem a raiva, nem o medo, nem a covardia.

AI-5, nunca mais!!

*Maria do Rosário (PT-RS) é deputada federal, mestre em educação e doutora em ciência política pela UFRGS.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum