Fórumcast #20
05 de julho de 2016, 17h10

Ato religioso lembra morte do menino Ítalo, baleado por PM de São Paulo

“Mais uma criança foi morta e até quando vai continuar?”, questionou a mãe do menino, Cinthia Ferreira Francelino. No dia 2 de junho, Ítalo e um amigo da mesma foram acusados de furtar um carro na garagem de um condomínio no bairro Morumbi. Os policiais perceberam uma movimentação estranha, afinal de contas o carro era dirigido por uma criança de dez anos e saíram em perseguição ao veículo. Ítalo foi baleado pelos PMs e morreu no carro

Por Agência Brasil

Um ato religioso na capital paulista lembrou hoje (4) a morte do menino Ítalo Ferreira de Jesus Siqueira, de 10 anos, baleado por policiais militares após uma perseguição no dia 2 de junho. Organizado pela Organização não Governamental (ONG) Visão Mundial, o ato foi realizado na Comunidade Cristã das Boas Novas (CCBN) e lembrou também que muitas outras crianças e adolescentes são vítimas de homicídio, como o menino Ítalo.

“Mais uma criança foi morta e até quando vai continuar?”, questionou a mãe do menino, Cinthia Ferreira Francelino. No dia 2 de junho, Ítalo e um amigo da mesma foram acusados de furtar um carro na garagem de um condomínio no bairro Morumbi. Os policiais perceberam uma movimentação estranha, afinal de contas o carro era dirigido por uma criança de dez anos e saíram em perseguição ao veículo, um Daihatsu Terios. Ítalo foi baleado pelos PMs e morreu no carro.

Veja também:  Bolsonaro: "A partir da semana que vem não teremos mais radares móveis no Brasil"

A mãe disse que Ítalo não estava armado e que, além disso, os policiais sabiam que eram duas crianças que estavam dentro do carro. “A dona do carro [furtado] falou que o carro dela estava falhando e que tinha duas crianças dentro do carro. Eles sabiam que tinha duas crianças dentro do carro. Eles mataram meu filho sabendo que era uma criança”, disse.

Segundo a PM, Ítalo fez três disparos contra os policiais com uma arma calibre 38. Porém, o menino sobrevivente disse, em seu último depoimento, que não houve confronto com a polícia. Além disso, não foram encontradas marcas dos tiros que teriam sido disparados pelo garoto.

O advogado Ariel de Castro Alves, membro do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe) e do Movimento Nacional de Direitos Humanos, que acompanhou o segundo depoimento do amigo de Ítalo à polícia, disse que ainda faltam os laudos da reconstituição do crime e de resíduos de pólvora na luva que o menino usava no dia em que morreu. O amigo de Ítalo também será novamente ouvido pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, acompanhado de psicólogos e da promotora designada, já que ele apresentou versões conflitantes.

Veja também:  Assessora do Planalto diz ao TSE que presenciou disparo de fake news que beneficiou Bolsonaro

“Teve uma versão que foi da noite dos fatos. Depois, ele foi ouvido no Delegacia Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) no dia seguinte, que é até um depoimento em que eu estive presente e em que ele disse que, durante o trajeto, teria ocorrido troca de tiro, mas que depois, quando o carro parou, não teria ocorrido troca de tiro. E foi nesse momento [quando o carro parou] que o policial disparou e acertou a cabeça do Ítalo”, explicou Ariel.

Segundo o advogado, em depoimento posterior, à Ouvidoria de Polícia, o menino disse que ambos estavam desarmados no dia da perseguição: “Ele chegou a dizer para um representante da Ouvidoria e para mim que viu quando o policial tirou a arma e a colocou dentro do carro”.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum