Blog do Maringoni

política

No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
11 de abril de 2017, 22h21

Maringoni: A lista e o caos

“A lista de Fachin é devastadora por um motivo central: é suficientemente ampla e ecumênica para não ser acusada de parcial ou unidirecional. E depois do dilúvio? Quem administrará as águas? (..) Lula é decisivo nesta conjuntura – 2017! – por ser o único fiapo de polo definidor de rumos futuros. Mantém densidade eleitoral e um recall no eleitorado pobre, inigualável por qualquer outro”

Por Gilberto Maringoni*

A lista de Fachin é devastadora por um motivo central: é suficientemente ampla e ecumênica para não ser acusada de parcial ou unidirecional. Ao mesmo tempo, seu potencial destrutivo pode colocar a pique todo o sistema político. Ela nos bate na cara gritando “Après moi le déluge! Après moi le déluge!”

E depois do dilúvio? Quem administrará as águas?

O rol de nomes e sobrenomes nela contido reafirma algo perceptível após as eleições de 2014, quando Dilma decidiu colocar a pique a credibilidade do voto popular nela depositada: não há um vetor com credibilidade para reorganizar o sistema. O estelionato eleitoral trouxe o desalento, exacerbou o sentimento antipolítica e descortinou o fascismo social que não ousava dizer seu nome.

Nos anos 1980, na derrocada da ditadura, o MDB (e depois o PMDB) se capacitou em longos anos de luta democrática para tocar o barco nos escombros do regime, tendo a Constituinte como Norte. Tornou-se um importante vetor ou baliza política. Em torno dele, todas as movimentações políticas se descortinaram.

Sua deslegitimação, no final da década, junto com a do governo Sarney, criou quatro anos de interregno na disputa de projetos – governos Collor e Itamar -, até que o PSDB ancorou-se solidamente no capital financeiro para impor um projeto político e econômico factível numa era de reorganização da divisão internacional do trabalho. Tornou-se o segundo vetor pós-democratização

O terceiro parâmetro a garantir a continuidade da disputa democrática foi o PT, a partir de três quebras da economia nacional patrocinadas pelas gestões de FHC. Sem romper totalmente com as diretrizes anteriores, a agremiação mostrou extrema competência nos primeiros anos para atuar na esteira do dinamismo externo (China), elevar o salário real com moderadas taxas de distribuição de renda e de crescimento do PIB. Sensivelmente, a vida melhorou para as camadas populares no período.

Lula investiu na expansão do mercado interno e teve notável êxito nisso. Não operou a etapa seguinte, liberar o excedente público para alavancar o investimento estatal e reduzir o impacto da crise externa. Implicaria uma elevação da temperatura do choque distributivo que optou por não fazer.

A derrocada do PT abriu as portas do caos. Nem o PMDB e nem o PSDB têm legitimidade popular e o projeto que empalmam, de inserção subordinada, não galvaniza forças significativas para além do capital financeiro. O projeto do golpe só funcionará com redução drástica dos salários reais e elevação exponencial dos juros básicos, o que resulta – entre outras coisas – em sobrevalorização cambial.

Ou seja, se de um lado a diretriz é reduzir custos de produção para atrair capital, na outra ponta, a defasagem cambial eleva objetivamente os mesmos custos internos. É uma conta que não fecha, ainda mais em uma economia em depressão.

A lista de Facchin chega nesse cenário. É bom que ela exista, mas não é solução para nada. Na corrida contra o tempo, tirando Lula, não há competidor sério para as eleições de 2018.

Mas um Lula desossado de projeto nacional – como aconteceu entre 2003-10, apesar dos bons ventos de fora – pode ser importante alento na luta contra as reformas, mas não reorganiza a lambança pós-golpe. Pode até reafirmá-la.

Lula é decisivo nesta conjuntura – 2017! – por ser o único fiapo de polo definidor de rumos futuros. Mantém densidade eleitoral e um recall no eleitorado pobre, inigualável por qualquer outro.

Mas Lula – ou outra força de esquerda – pede um projeto de desenvolvimento macroeconômico consistente. Querendo ou não o ex-presidente, sua postulação representa um aguçamento acelerado da luta de classes. Tornou-se não-palatável aos de cima neste momento, daí o esforço por tirá-lo do jogo.

O caminho será difícil e complexo. Mas ele não surgirá sem que se acentuem as divisões no bloco dominante e sem enfrentamento a partir de baixo.

Pode haver algum tipo de conciliação? Sim, mas não parece ser a tendência dominante na cena política.

A lista de Facchin parece ter o poder de dinamitar todos os navios.

*Gilberto Maringoni é professor do Bacharelado em Relações Internacionais (BRI) e membro do corpo docente da Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do ABC (UFABC)


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum