A maioria do partido é contra discutir candidatura a presidente agora, diz Ivan Valente

O deputado disse isso ao responder sobre a candidatura Glauber Braga pelo PSOL ao jornalista Renato Rovai no programa Fórum Onze e Meia

Em entrevista ao Fórum Onze e Meia desta quarta-feira (12), o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) comentou sobre o lançamento da pré-candidatura do também deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) à presidência da República pelo PSOL. Valente defendeu o direito de lançar candidatura, mas considera que não é o “momento apropriado” e que a sua posição segue a maioria do partido.

“A minha posição é semelhante a maioria partidária e ela não vê como apropriada fazer esse debate agora. Nós temos uma prioridade nesse momento que é o combate, o desgaste da popularidade bolsonarista e para isso você tem que ter uma unidade de ação com um programa que se foca, principalmente, na questão da pandemia, da vacinação em massa, que se foca no auxílio emergencial de no mínimo de R$ 600 e no impeachment do Bolsonaro”, disse Valente.

O parlamentar também ressaltou que há mais de 100 pedidos de impeachment do presidente Bolsonaro na Câmara dos Deputados e que a energia do partido deveria estar voltada para a “mobilização da sociedade e pra denúncia política”.

“Então, o primeiro momento é você acumular, e percebendo o seguinte: ao longo do tempo vai se firmar como é que nós vamos derrotar o Bolsonaro, porque há uma ala da sociedade que quer derrotar o Bolsonaro a todo custo. Então, nós vamos ter uma grande pressão para ter uma candidatura que possa ser vencedora e isso vai se firmar ao longo do tempo, eu acho que não é o momento… ainda mais no caso do PSOL, nós temos um congresso em setembro. Essa antecipação coloca o partido gastando uma energia interna que deveria estar voltada para fora, pra sociedade, pra mobilização, pra denúncia política”, analisou Valente.

Por fim, Valente defendeu o direito ao debate sobre uma candidatura do PSOL, mas em outro momento. “Por isso eu acho que é inapropriado [debate sobre a candidatura] e o PSOL logicamente pode ter abertura pra discutir a melhor proposta para derrotar o Bolsonaro, mas nós não tomamos ainda, e o PSOL tem capital político, não é mais um partido que tem projetos próprios, ele pode ter, o direito de lançar candidatura é livre, mas a gente tem que ver se é o momento apropriado. Nesse momento vamos trabalhar juntos com todos os partidos de oposição, essa é a minha posição”, finalizou Ivan Valente.

“A corrupção do governo Bolsonaro sai pelos poros”, diz Ivan Valente

O deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) defendeu nesta quarta-feira (12), durante entrevista ao Fórum Onze e Meia que seja instalada a CPI do Trataoraço, pois, para o parlamentar é preciso “expor as contradições desse governo que se diz honesto”. Valente revelou que já está em busca das assinaturas para a instalação da Comissão Parlamentar e que, caso o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) se recuse a instalar, irão pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF), a exemplo do que ocorreu no Senado, que obrigue a instação da Comissão.

“Enquanto a população está morrendo de fome, o Bolsonaro está andando de moto e fazendo churrasco, só que esse churrasco custou R$ 1.799,99. A gente precisa expor esse governo que debocha do sofrimento das pessoas. o Churrasco do Bolsonaro custa três cestas básicas. Isso tem que ser exposto”, disse Ivan Valente.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).