ACM Neto diz a aliados que Bolsonaro ganhou inimigo ao nomear Roma para o ministério da Cidadania

Nos bastidores, Rodrigo Maia questiona caráter de Neto e afirma que ele negociou cargo no governo federal

Posterior a nomeação de João Roma (Republicanos-BA) para o ministério da Cidadania, o presidente nacional do Democratas (DEM), ACM Neto (BA), declarou a aliados que o presidente Bolsonaro ganhou um inimigo.

Além da declaração, Neto também teria afirmado que irá atuar para levar a maioria do DEM para a oposição ao governo Federal

De acordo com a Folha de S. Paulo, o deputado federal Roma foi nomeado a contragosto do ex-prefeito de Salvador, de quem é afilhado político.

Desde a eleição à presidência da Câmara dos Deputados, ACM Neto não queria ser atrelado ao governo Bolsonaro, pois, se declarava independente, agora afirma que não poupará críticas ao governo federal.

Além disso, Neto também tem dito que vai minar qualquer possibilidade de crescimento do presidente Bolsonaro na Bahia, região onde a reprovação ao governo federal é alta.

Por fim, Rodrigo Maia tem declarado nos bastidores que o presidente do DEM “não tem caráter” e que participou da indicação de Roma para a o ministério da Cidadania.

Com informações da Folha de S. Paulo.

Publicidade
Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR