O que o brasileiro pensa?
06 de fevereiro de 2020, 12h04

Alberto Fernández quer promover lei para descriminalizar o aborto na Argentina

Anúncio aconteceu durante viagem do mandatário à Europa. “Não posso estar em paz com minha consciência sabendo que milhares de mulheres estão perdendo a vida em abortos clandestinos”, argumentou Fernández.

Alberto Fernández, durante palestra realizada em Paris (Foto: Sciences Po / YouTube)

Em uma palestra realizada nesta quarta-feira (5), no Instituto de Estudos Públicos de Paris, o presidente de Argentina, Alberto Fernández, ratificou seu compromisso de campanha com o movimento feminista, e assegurou que seu governo promoverá uma lei de despenalização do aborto.

Segundo Fernández, em resposta a uma pergunta do público sobre o tema, o projeto será apresentado ao Congresso ainda no primeiro semestre, e contará com o apoio do Poder Executivo – outros três projetos semelhantes já tramitaram no país, durante os governos de Cristina Kirchner e Mauricio Macri, mas sempre por iniciativas parlamentares, sem o apoio dos presidentes de então.

O presidente argentino também afirmou que sua proposta diz respeito ao aborto em qualquer circunstância, em todos os centros de saúde pública do país – similar ao que foi aprovado no Uruguai em 2012, durante o governo de Pepe Mujica.

“Não posso estar em paz com minha consciência sabendo que milhares de mulheres estão perdendo a vida em abortos clandestinos”, argumentou Fernández, para justificar a proposta. Contudo, o presidente fez uma ressalva a respeito do projeto: “espero que não se transforme em uma disputa entre parlamentares progressistas e conservadores, porque o tema deve ser visto como um problema de saúde pública a ser resolvido, e não como uma questão filosófica”.

A palestra de Fernández – que também é um dos juristas mais conceituados da Argentina, e professor de Direito da Universidade de Buenos Aires – aconteceu em meio à sua turnê internacional pela Europa, que mescla encontros acadêmicos, como este no Instituto de Estudos Públicos, e reuniões oficiais com chefes de Estado, como o Papa Francisco (Vaticano), Angela Merkel (Alemanha), Pedro Sánchez (Espanha) e Emmanuel Macron (França).


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum