Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de maio de 2018, 15h02

Alckmin diz que cunhado citado em esquema de propina é “só simpatizante do PSDB”

Pré-candidato do PSDB fugiu de perguntas que envolviam tucanos envolvidos na Lava Jato

O pré-candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin, participou de sabatina na manhã desta quarta-feira (23). Em um dia difícil para o partido, com o ex-governador Eduardo Azeredo foragido, Alckmin foi questionado sobre casos de corrupção dentro do governo tucano em São Paulo e em outros estados. Ele rechaçou a denúncia publicada pelo jornal Folha de São Paulo dando conta que seu cunhado havia recebido propina de R$ 5 milhões para a campanha de reeleição em 2010 e afirmou que seu cunhado nunca teve função na administração paulista: “é apenas um simpatizante do PSDB”.

Durante a sabatina promovida por UOL, Folha de São Paulo e SBT, ele procurou fugir de perguntas mais agudas. Ao responder se dividiria o palanque com o senador Aécio Neves, em Minas Gerais, e o governador do Paraná, Beto Richa (ambos investigados pela Lava Jato), Alckmin não se comprometeu e disse que Aécio “não deverá ser candidato” e Richa “terá o direito à defesa”.

Denúncia de corrupção em São Paulo

Segundo reportagem de Mario Cesar Carvalho, da Folha de S.Paulo, a CCR, principal concessionária de estradas do país, revelou ter doado R$ 5 milhões para o caixa dois da sua campanha ao governo paulista em 2010. O dinheiro teria sido entregue ao cunhado de Alckmin, Adhemar Ribeiro, e a denúncia de propinas também atinge os tucanos José Serra e Aloysio Nunes. Ainda de acordo com a reportagem, é a segunda vez que o cunhado é associado a arrecadações ilegais de campanha. A Odebrecht relatou em acordo de delação ter entregue R$ 10,7 milhões a ele, também na campanha de 2010.

Ao ser confrontado com a denúncia, o ex-governador de São Paulo disse que Ribeiro nunca ocupou cargo público durante a gestão tucana. “É apenas um simpatizante do PSDB. Ele é casado com uma banqueira, dono de financeira, simpatizante do partido, nada mais do que isso. Não tem nenhuma relação com o governo”, disse.

Com a insistência dos jornalistas em saber sobre a ausência de maior eficiência no combate à corrupção, palavra muito usada por Alckmin para defender sua gestão, ele tergiversou e usou como escudo a biografia, afirmando que tem o mesmo patrimônio (R$ 1,3 milhão) há quatro anos.

“Moro no mesmo apartamento. Então eu me sinto indignado, porque há uma tendência agora no Brasil de defenestrar a política, dizer que é todo mundo igual. Não, não é. Quem enricar com política é ladrão. L-a-d-r-a-o”, disse ALckmin soletrando letra por letra da palavra ladrão, esquecendo apenas do til.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum