Amazonas decreta toque de recolher por 10 dias para frear Covid-19

Circulação ficará restrita em todo o estado das 19h às 6h; decisão foi tomada após hospitais de Manaus amanhecerem praticamente sem oxigênio, diante de disparada de internações

O governo do Amazonas decretou nesta quinta-feira (14) toque de recolher em todas as cidades do estado, por dez dias, das 19h às 6h. Com a medida, o governo tenta frear o avanço da pandemia de Covid-19. No comunicado, o governo destaca que o estado passa por uma disparada de diagnósticos, hospitalizações e mortes em decorrência da doença na capital, Manaus, e no interior.

A medida foi tomada depois de hospitais de Manaus terem amanhecido com falta de oxigênio nesta quinta-feira (14). O presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas, Mário Viana, disse que a capital amazonense vive uma situação de guerra.

A mesma expressão foi usada na nota sobre a restrição de circulação de pessoas no estado. “Estamos em uma operação de guerra”, disse o governador Wilson Lima (PSC), no comunicado. A Secretaria Estadual da Saúde informou que 235 pacientes com Covid-19 serão transferidos para outros estados devido à escassez de oxigênio para suprir a demanda da rede pública estadual de saúde.

A exceção para o toque de recolher ficará para as seguintes atividades: transporte de cargas e produtos essenciais à vida, como alimentos e medicamentos e insumos médico-hospitalares; o deslocamento para serviços de entrega, exclusivamente de produtos farmacológicos, medicamentos e insumos médico-hospitalares; o deslocamento de pessoas para prestar assistência ou cuidados a doentes, idosos, crianças ou pessoas com deficiência ou necessidades especiais e o de profissionais de imprensa.

Além disso, ficam liberados os deslocamentos para as unidades de saúde, para atendimento emergencial; os de agentes públicos, profissionais de saúde e de quaisquer outros setores, cujo funcionamento seja essencial para o controle da pandemia de Covid-19, ou para o exercício de missão institucional; de profissionais de órgãos públicos, inclusive delegacias e unidades judiciárias, nos casos de necessidade de atendimento presencial ou de cumprimento de intimação administrativa ou judicial.

Recuo em restrições

Em dezembro, Lima tinha editado decreto proibindo o funcionamento do comércio não essencial no estado por 15 dias. No entanto, após protestos realizados no centro de Manaus, com manifestantes aglomerados pedindo a reabertura das lojas, o governador cedeu aos empresários e, no dia 27 do mês passado, depois de reunião com eles, flexibilizou as regras.

No dia 2 de janeiro, no entanto, o juiz Leoney Harraquian, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), determinou que o governo daquele estado suspendesse as atividades consideradas não-essenciais pelo prazo de 15 dias.

A decisão, em caráter liminar, foi concedida a pedido do Ministério Público (MP-AM). A promotoria alegou que, nos últimos dois meses, houve uma aceleração de contágios por Covid-19 no estado, especialmente por causa das campanhas eleitorais e, depois, preparativos para as festas de final de ano.

Publicidade
Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR