“Apanhou”: homem assedia mulher, a agride e é espancado por populares em MG

Vídeo que mostra o assédio e a agressão viralizou nas redes sociais com o termo "apanhou"; assista

Um caso de agressão à mulher que gerou reação da população viralizou nas redes sociais nesta segunda-feira (2). Circula nas redes sociais um vídeo que mostra um homem agredindo uma mulher em uma praça antes de sofrer uma tentativa de linchamento por outras pessoas que estavam no local.

O caso aconteceu na cidade de João Monlevade, em Minas Gerais, na última segunda-feira (26), mas o vídeo que mostra o momento só veio à tona uma semana depois.

De acordo com o Boletim de Ocorrência, uma mulher de 30 anos estava passeando na praça Domingos Silvério quando um homem de 35 anos que ela não conhecia apareceu de surpresa e começou a assediar. Ele teria tentado apalpar seus seios e, diante da resistência da mulher, o homem começou a agredi-la, segurando seus cabelos e dando socos em sua cabeça.

A mulher gritou por socorro e prontamente outras pessoas que estavam no local interviram. Ao menos 5 homens partiram para cima do agressor e, então, iniciou-se a tentativa de linchamento.

A Polícia Militar foi até o local e prendeu o agressor que havia assediado a mulher, mas não conseguiu identificar os homens que participaram do espancamento do assediador. Ele recebeu atendimento médico antes de ser preso e agora o caso está sendo investigado pela Delegacia de Plantão da Polícia Civil de Monlevade.

Com a repercussão das agressões, o termo “apanhou” chegou à lista dos assuntos mais comentados do Twitter nesta segunda-feira (2).

Confira.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR