Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de novembro de 2015, 16h52

Aplicativo mapeia pontos de assédio sexual nas ruas do Brasil

Criado por uma estudante do ensino médio, o app “Sai Pra Lá” é gratuito e está disponível para iPhone e Android.

Criado por uma estudante do ensino médio, o app “Sai Pra Lá” é gratuito e está disponível para iPhone e Android

Por Helô D’Angelo

Segundo a pesquisa Chega de Fiu Fiu, do coletivo Think Olga, 99,6% das mulheres já foram assediadas nas ruas. O número assusta, mas a boa notícia é que, a cada dia, aparecem novas estratégias de luta contra essa violência.

A usuária pode classificar a forma de assédio ao marcar um ponto em que sofreu violência.

No app, a usuária pode classificar a forma de assédio ao marcar um ponto em que sofreu violência

Uma delas é o aplicativo “Sai Pra Lá”. Lançado ontem (3), ele permite que as usuárias marquem em um mapa, de forma anônima, o local exato em que o assédio aconteceu, e que classifiquem-no como “sonoro” (como assovios e gritos), “verbal’ (cantadas e xingamentos), “físico” (apalpadas e passadas de mão) ou “outros” (não especificados). “O intuito do ‘Sai Pra Lá’ é mapear o assédio e atuar na prevenção dele, mostrar para as mulheres quais são os locais onde mais ocorrem assédios e pressionar os órgãos responsáveis pela nossa segurança para que tomem atitudes”, explica a descrição do app.

A criadora, Catharina Doria, tem apenas 17 anos e está no ensino médio. Ela conta que teve a ideia há quatro meses: “Eu estava em um dia péssimo e, para completar, um cara me assediou na rua. Fiquei com muita vontade de responder, mas tive medo. Depois, em casa, tive a ideia de criar um aplicativo para que as meninas pudessem fazer alguma coisa sobre isso”.

Sem entender de programação ou design, e sem uma fonte de renda que permitisse o investimento, Catharina traçou uma estratégia. Primeiro, convidou dois amigos do escotismo – a designer Mari Vaders, de 23 anos, e o desenvolvedor Thiago Delmotte, de 28 – para ajudá-la. Depois, fez um acordo com a mãe: em vez da tradicional viagem de formatura, ela pediu para usar o dinheiro no desenvolvimento do aplicativo.

A empreitada de Catharina começou bem. Em dois dias de funcionamento, o mapa já tem cerca de 200 marcações, a maioria em São Paulo e no Guarujá. “Já temos algumas denúncias em Manaus, em Florianópolis e no Rio de Janeiro. A ideia, agora, é espalhar para o Brasil inteiro”, conta ela.  Até o fechamento desta matéria, a página do aplicativo no Facebook já tem mais de 3.500 curtidas – segundo a jovem, foram cerca de mil likes em um dia: “Foi muito rápido, eu não esperava”.

Quando teve a ideia do “Sai Pra Lá”, Catharina ainda não conhecia a campanha “Chega de Fiu Fiu”, que tem um mapeamento bastante semelhante. “Achei muito legal a iniciativa do Think Olga e é bem parecido mesmo, mas a vantagem do ‘Sai Pra Lá’ é que o mapeamento fica mais prático, por ser um aplicativo no celular”, pondera.

Para o futuro do app, Catharina pensa em colocar a opção de denunciar em estações de metrô, além de melhorar a localização de cada marcação: “Como tudo é muito caro, esperamos que a divulgação ajude a trazer novos colaboradores para começar essas melhorias”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum