Entrevista exclusiva com Lula
25 de fevereiro de 2014, 12h54

Aposentada é condenada a quatro anos de regime semiaberto por injúrias raciais

Episódio aconteceu em novembro de 2012, quando Davina Castelli, dentro de uma farmácia paulistana , pediu para ser atendida por uma pessoa branca

Episódio aconteceu em novembro de 2012, quando Davina Castelli, dentro de uma farmácia paulistana , pediu para ser atendida por uma pessoa branca

Por Redação

Aposentada se recusou ser atendida por uma pessoa negra e declarou que os “macacos (pessoas negras) devem voltar pra floresta”

Davina Castelli, 72, foi condenada na última quarta-feira (19) a quatro anos de prisão em regime semiaberto por conta de injúrias raciais proferidas contra três pessoas no Top Center, shopping localizado na Avenida Paulista (SP), em novembro de 2012.

A cena aconteceu dentro de uma farmácia do shopping, quando Davina pediu para ser atendida por alguém de “sua cor”, no caso, branca. “Macaca, eu não gosto de negro; negro é imundo; a entrada de negros no shopping deveria ser proibida; odeio negros, negros são favelados”, proferiu Castelli.

As ofensas racistas foram ditas para a corretora Karina Chiaretti, a vendedora Suelen Meirelles e o supervisor predial Alex Marques da Silva, que estavam na farmácia no momento em que Castelli pediu para ser atendida por uma pessoa branca. Cada um deles será indenizado em R$ 28.960 por danos morais.

Giovana de Oliveira, juíza responsável pelo caso, determinou que Davina Castelli fosse presa imediatamente, porém, ela ainda não foi localizada e também não recebeu o oficial de justiça. Quando depôs à polícia à época, Castelli negou ter ofendido as pessoas. Porém, segundo seus vizinhos, é comum ela ofender negros e nordestinos.

Uma das denunciantes, Karina Chiaretti, declarou que a polícia que não queria levar adiante o caso e que este só foi adiante quando o seu tio, Hélio Santos, ativista do movimento negro, entrou em contato com o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP). Chiaretti e Marques da Silva ainda reclamam de que o shopping foi omisso, pois, segundo as vítimas, “todo mundo escutou os xingamentos racistas e ninguém fez nada”. A Defensoria Pública entrou com habeas corpus para que Davina Castelli possa recorrer em liberdade.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum