Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de janeiro de 2020, 16h44

Argentina cria equipe de economistas para negociar dívida com o FMI

Unidade Especial para a Renegociação da Dívida estará sob a supervisão do Ministério da Economia e terá que lidar com o resgate de 46,5 bilhões de dólares entregues pelo organismo financeiro para salvar o governo de Mauricio Macri da quebra

Foto: Reprodução

Quando assumiu o governo da Argentina, Alberto Fernández sabia que um dos seus problemas mais difíceis seria a dívida astronômica deixada pelo seu antecessor, Mauricio Macri, com o FMI (Fundo Monetário Internacional), adquirida após um acordo oficializado em junho de 2018, e que é uma das maiores já entregues pelo organismo financeiro em toda a sua história: 46,5 bilhões de dólares, com prazo de vencimento até 2023.

Para lidar com esse enorme problema, Fernández criou, nesta segunda-feira (27), a Unidade Especial para a Renegociação da Dívida, que estará sob a supervisão do Ministério da Economia, cujo responsável é o ministro Martín Guzmán.

O diretor da Unidade Especial será o também subsecretário de Economia, Emiliano Libman. De acordo com o Diário Oficial argentino, a missão da equipe será a de assistir e assessorar o ministro Guzmán “em tudo o que estiver vinculado às tarefas relativas à formulação e execução das estratégias de relação” com o organismo financeiro internacional.

Ainda assim, o decreto que criou a Unidade Especial também afirma que ela deverá ser dissolvida no dia 31 de dezembro de 2021, ou até mesmo antes disso, caso o objetivo para o qual ela foi criada já esteja devidamente cumprido.

Em declaração à imprensa local, Libman afirmou que a data de dissolução da Unidade confirma “o interesse do presidente Fernández em resolver esse problema da forma mais rápida e eficiente possível, para evitar que sejam impostas novas medidas de austeridade, e a confiança dele em que vamos cumprir esse objetivo”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum