Argentina suspende obrigatoriedade do uso de máscara em locais públicos

Ao anunciar a decisão, o Ministério da Saúde destacou a diminuição “consistente” de casos nas 24 jurisdições do país

A ministra da Saúde, Carla Vizzoti, anunciou nesta terça-feira (21) que, por conta do avanço do Plano Estratégico de Vacinação contra a Covid-19 e com a diminuição “sustentada” de casos de infecções por coronavírus, a obrigatoriedade do uso de máscara ao ar livre está suspensa.

Todavia, Vizzoti destacou que o uso da máscara continua obrigatório em locais fechados e ao ar livre quando houver aglomeração de pessoas.

Além disso, o Ministério também anunciou a liberação de reuniões sociais sem limite de pessoas, mas seguindo as medidas de prevenção: máscaras, distanciamento e ventilação.

Outras medidas foram anunciadas pelo governo da Argentina: Autorização de clubes com lotação de 50%, com esquema de vacinação completo (14 dias antes do evento), eventos massivos com mais de mil pessoas serão permitidos a partir de 1º de outubro.

As fronteiras devem iniciar uma abertura gradual e “cuidadosa”; também a partir de outubro será permitida a entrada de estrangeiros de países vizinhos sem a necessidade de fazer isolamento.

Notícias relacionadas

Com informações do El Destape.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR