Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de fevereiro de 2012, 09h48

Artesãos transformam sucatas em churrasqueiras em Caruaru

Criatividade aliada ao ambientalmente correto e à geração de oportunidades de negócios, trabalho e renda. Assim funciona a Barraca da Solda Elétrica São Caetano, localizada no setor de ferragens da Feira de Caruaru (PE). Seus proprietários, os irmãos José, conhecido como Zezinho, e Juarez Amaro, usam peças de madeira e ferragens para construir diversos modelos de churrasqueiras que fazem sucesso entre os visitantes.

À primeira vista, a Barraca da Solda Elétrica São Caetano mais parece um depósito de sucata: eletrodomésticos inutilizados, como freezers e fogões, móveis velhos, rodas de carro, arames, latas e tonéis se amontoam a perder de vista. Mas quem visita o local logo percebe que aquilo tudo nada mais é do que a matéria-prima do trabalho dos irmãos Amaro.

Pelas mãos habilidosas de Zezinho e Juarez, tonéis de metal viram enormes churrasqueiras que têm até chaminé. Pedaços de lata formam o corpo, e tubos de PVC dão o suporte para assar os populares espetinhos de carne, linguiça e frango. Os irmãos se valem ainda de rodas de automóveis para criar a base de outra churrasqueira, enquanto pedaços de ferro e arame formam a grelha para assar a carne. “Aqui, reciclamos tudo”, garante Zezinho.

Ao ser perguntado sobre como desenvolveu a idéia, há seis anos, o próprio Zezinho admite não saber de onde vem tanta criatividade. “Eu simplesmente olho para um monte de peças na minha frente. De repente, as idéias aparecem na cabeça, pego tudo e começo a criar”, conta o artesão dos metais, que trabalha com o irmão e três funcionários na barraca. Além de fabricar churrasqueiras, eles consertam carrinhos de mão para carregar cargas e carroças.

A São Caetano fabrica mais de 200 churrasqueiras por mês em 12 modelos diferentes, vendidas principalmente na própria Feira de Caruaru. Segundo Zezinho, 90% da produção vão para os colegas feirantes, que fornecem ao público. Os irmãos ainda vendem suas “obras-de-arte” para clientes de outros estados como Sergipe, Alagoas e até São Paulo.

Zezinho conta que os compradores demonstram grande receptividade e interesse pelos seus produtos, não apenas pela originalidade mas também pelos aspectos ambientais. “As pessoas acham as nossas churrasqueiras diferentes”, diz.

Já o irmão Juarez se orgulha ao falar que trabalha de forma sustentável, sem poluir o meio ambiente. “Tomamos o maior cuidado com os nossos produtos. Até a tinta somos nós quem fabricamos. Quando o serviço acaba, recolhemos as sobras e vendemos ao ferro velho”, explica.

O feirante revela que volta e meia aparecem pessoas de outros países, que chegam para comprar suas churrasqueiras. “Um dia desses vieram uns alemães aqui. Ficaram maravilhados e tiraram um monte de fotos. Eles não acreditam no que a nossa criatividade é capaz”, afirma Juarez.

Pneus-lixeiras
A alguns metros da Barraca São Caetano, Luisa Maria de Lima, dona da Luisa Ferragens, vende um produto não menos criativo e importante do ponto de vista ambiental: cestos de lixo feitos de pneus.

Marcos, marido de Luisa, assina a criação dos cestos e também de bacias produzidas com os pneus. Segundo a esposa, ele desenvolve o produto há mais de 15 anos. “É uma invenção importante porque recicla os pneus, evita a poluição e a proliferação do mosquito da dengue”, diz Luisa Maria.

(Originalmente publicado no site RTS)


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags