O que o brasileiro pensa?
26 de junho de 2020, 21h40

As cruéis lições da privatização da água

Dirão que não se está “privatizando a água”, que se trata apenas da melhor capacidade de gestão do setor privado ante o estatal. Estes, com a hipocrisia que lhes é particular, omitirão que estudo da BBC de 2017 revelou que Paris, Berlim e outras 265 cidades reestatizaram o saneamento

Protesto contra a privatização das águas (Rede Brasil Atual)

Quarta-feira, 24 de junho, o Senado Federal aprovou um Projeto de Lei que muda o marco regulatório do saneamento básico no Brasil. A matéria foi relatada pelo Senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), um dos principais acionistas da Coca-Cola no Brasil, empresa que tem interesse direto nas nossas reservas de água potável. A justificativa dos parlamentares que votaram favoráveis ao Projeto, como era de se esperar, é a “democratização do acesso à água”.

Em verdade, trata-se da privatização da água, de uma necessidade humana básica que se transformará em mercadoria e, consequentemente, inacessível para amplas massas de trabalhadores e trabalhadoras já espoliados com as reformas trabalhista e previdenciária.

Dirão que não se está “privatizando a água”, que se trata apenas da melhor capacidade de gestão do setor privado ante o estatal. Estes, com a hipocrisia que lhes é particular, omitirão que estudo da BBC de 2017 revelou que Paris, Berlim e outras 265 cidades reestatizaram o saneamento. Omitirão que, na Bolívia, em Cochabamba, após a privatização, a empresa multinacional concessionária elevou as tarifas a patamares inacessíveis para amplas maiorias indígenas e camponesas, e apenas uma sublevação popular, a “Guerra da Água”, possibilitou a reversão da medida.

Mas, para além do tema em si, essa votação resgata dois pontos importantes para a compreensão da conjuntura atual.

O primeiro deles refere-se aos limites do Parlamento burguês na defesa dos interesses das classes trabalhadoras brasileiras. Se o Parlamento aprovou uma renda mínima emergencial de R$ 600, enquanto Bolsonaro, Mourão, Guedes e companhia queriam garantir somente “um auxílio de R$ 200”, não o fez por ser um espaço da defesa e promoção do “bem comum”, da defesa da vida e dos direitos. A derrota do governo foi fruto da oposição de esquerda, que lutou, inclusive, por uma renda básica emergencial de um salário-mínimo.

Os limites desse Parlamento também ficaram evidenciados com a tentativa fracassada de aprovação da Medida Provisória 905, que criava o contrato de trabalho verde e amarelo, o qual, na prática, aprofundava a retirada de direitos das classes trabalhadoras, iniciada com a reforma trabalhista, de Michel Temer e Rogério Marinho.

Na contramão das conquistas acima, a privatização das águas reforça, assim, que aquele espaço é, antes de mais nada, o lócus de interesses privados alçados à condição de universais. Ou seja, é o espaço de uma minoria que multiplica sua riqueza, enquanto argumenta que a aprovação da Emenda Constitucional 95, da Reforma Trabalhista, da Reforma da Previdência, a privatização da Petrobrás, de bancos públicos e demais empresas se voltam ao “bem comum”.

O segundo ponto diz respeito à possibilidade de construção de uma frente ampla contra o governo Bolsonaro, incluindo setores da direita, ultimamente chamados de ‘centrão’, e de uma centro-esquerda, os quais, no tensionamento da luta política concreta, sempre fizeram o fiel da balança pender para o neoliberalismo.

Conforme está amplamente registrado e divulgado, somente o Partido dos Trabalhadores, na noite de ontem, votou contra o desmonte do nosso sistema de saneamento básico. Para não ser injusto, destaco que Psol, PCB, PCO e PCdoB, que não possuem representação no Senado, se posicionaram de forma contrária ao Projeto.

Diante desses fatos e outros surge, então, a questão: devemos compor uma frente ampla com setores que querem, tão somente, domesticar Bolsonaro?  Com os setores que criticam as políticas de desmonte em dias pares e as referendam no Parlamento em dias ímpares? Por óbvio, claro que não devemos!

Precisamos não apenas derrubar Bolsonaro, mas Mourão, Guedes e todas as políticas deste governo. Bolsonaro deixou de ser um medíocre parlamentar de décadas de improdutividade, somente quando se tornou a única alternativa possível para a manutenção e aprofundamento do ataque do capital sobre o trabalho, ocorrido a partir do golpe de Estado de 2016.

Portanto, a derrota do lado de lá implica, necessariamente, em derrotar as forças neoliberais. Aí sim, o fascismo, como cria de tais forças, à mediocridade retornará.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum