Ataques de Bolsonaro a presidente da Petrobras gera mal-estar nos bastidores: “chegou no limite da crueldade”

Reunião do Conselho administrativo da estatal, que deve definir se acata ou não a mudança da presidência da Petrobras, acontece hoje

Os ataques do presidente Bolsonaro contra a pessoa de Roberto Castello Branco, que foi “demitido” da presidência da Petrobras, geraram mal-estar entre os aliados de Castello Branco que classificaram a atitude de Bolsonaro como o “limite da crueldade”.

De acordo com informações da coluna Direto da Fonte, do jornal O Estado de S. Paulo, o presidente Bolsonaro tem conhecimento dos motivos que levaram Castello Branco, nos últimos 11 meses, a trabalhar de casa.

Mesmo sob pressão, Castello Branco se recusou a pedir demissão a pedido de Paulo Guedes, o ministro da Economia.

O Conselho de Administração da Petrobras, que é quem decide se aceita ou não a demissão de Castello Branco e o nome indicado por Bolsonaro para assumir a presidência da Petrobras, acontece hoje.

Ao Estadão, Leonardo Antonelli, conselheiro independente da Petrobras, afirmou que espera uma união no conselho e que este seja firme para preservar “o melhor interesse da estatal e restabelecer com urgência a confiança”.

O presidente Bolsonaro indicou o general Joaquim Silva e Luna para assumir a presidência da Petrobras, o que causou mal estar no mercado financeiro e desvalorização dos papeis da estatal, que teve um prejuízo de R$ 74,2 bi

Após intervenção de Bolsonaro, Petrobras tem 2ª maior perda de valor de mercado em um dia

Maior companhia do Brasil, a Petrobras sofreu nesta segunda-feira (22) a segunda maior perda de valor de mercado em um único dia nas negociações da Bolsa desde o Plano Real. A queda foi de R$ 74,2 bilhões. E acontece depois da intervenção de Jair Bolsonaro (sem partido) na empresa. Na última sexta-feira (19), ele anunciou que o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, seria substituído pelo general da reserva Joaquim Silva e Luna, que era diretor-geral da Itaipu.

As ações preferenciais da companhia, que são as mais negociadas, desabaram 21,51%. As ordinárias, com direito a voto, caíram 19,96%.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR