Fórumcast #20
02 de abril de 2017, 17h47

Ator rejeita papel de FHC e diz que filme da Lava Jato é propaganda tucana

"A um amigo, Capri disse que o filme é 'uma peça de propaganda do governo do PSDB, do Plano Real e do mandato do FH, visando a 2018'", diz Ancelmo Gois em sua coluna deste domingo.

“A um amigo, Capri disse que o filme é ‘uma peça de propaganda do governo do PSDB, do Plano Real e do mandato do FH, visando a 2018′”, afirmou Ancelmo Gois em sua coluna deste domingo

Por Brasil 247

O filme sobre a operação Lava Jato “Polícia federal – A lei é para todos” voltou a ser criticado na imprensa. A película, que obteve de maneira ilegal imagens da condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, recebeu comentários negativos do ator da Globo Herson Capri.

Segundo o colunista Ancelmo Gois, do jornal O Globo, Herson Capri foi convidado para representar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) no filme. E teria recusado o convite. “Publicamente, ele não fala sobre o assunto, em respeito aos colegas, profissionais que ele ‘respeita muito, independentemente da posição política’. Mas, a um amigo, Capri disse que o filme é ‘uma peça de propaganda do governo do PSDB, do Plano Real e do mandato do FH, visando a 2018′”, diz Ancelmo Gois em sua coluna deste domingo, 2.

Veja também:  Advogados entram com ação no STF pedindo Lula livre por suspeição de procuradores da Lava Jato

Leia a nota:

Contra o Plano Real?

A produção do filme “Polícia Federal – Al lei é para todos”, sobre a Lava Jato, convidou Herson Capri para o papel de FH. O artista recusou. Publicamente, ele não fala sobre o assunto, em respeito aos colegas, profissionais que ele “respeita muito, independentemente da posição política”. Mas, a um amigo, Capri disse que o filme é “uma peça de propaganda do governo do PSDB, do Plano Real e do mandato do FH, visando a 2018”.

O filme polêmico, que é financiado por um investidor de identidade não revelada, é alvo de críticas por todos os lados. Neste fim de semana, o diretor da revista Carta Capital, Mino Carta, apontou ilegalidades na produção do longa e disse que a obra é mais uma prova de que a lei não é para todos. “A que se destina a obra? Que papel se atribui a Lula ainda em julgamento baseado nas convicções do promotor Dallagnol, um dos heróis da película? Fácil imaginar que o ex-presidente venha a ser o vilão, de sorte a favorecer a convicção do pregador da guerra santa”, diz Mino Carta. “Estamos diante de um absurdo total, um acinte jurídico, para se somar a tantos deslizes e irregularidades cometidos na República de Curitiba”, afirma.

Veja também:  Em diálogo, Dallagnol sinaliza que sabia do acordo de Bolsonaro para indicar Moro ao STF

Foto: Divulgação


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum