Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
12 de novembro de 2016, 16h23

Attuch: É o fim do império?

O que fará Donald Trump na Casa Branca? Antes de responder a essa questão, há outra que a precede.

Por Leonardo Attuch

O que fará Donald Trump na Casa Branca? Antes de responder a essa questão, há outra que a precede. Como, afinal, ele se impôs, atropelando a candidata do establishment político e financeiro, Hillary Clinton, e o próprio Partido Republicano? A razão é uma só: o mal-estar crescente, na sociedade americana, com a globalização, que exportou empregos industriais em menor escala para o México e, em maior volume, para a China – um descontentamento semelhante ao que provocou a vitória do “brexit” na Grã-Bretanha.

Trump, portanto, espelha a decadência imperial. É a falta de perspectivas do trabalhador de classe média que inspirou o slogan “Make America Great Again”. Essa nostalgia da grandeza, ou do sonho americano, não poderia ser melhor interpretada do que por um bilionário, que se vende como autêntico “self-made man”, capaz de transformar os próprios fracassos em grandes recomeços. E que também, como comunicador profissional, soube explorar os preconceitos e os piores instintos de uma sociedade amedrontada.

Trump, portanto, poderia ser qualificado como um populista de direita. No entanto, boa parte da esquerda norte-americana torceu por sua vitória – ainda que, em muitos casos, sem assumir essa posição. O motivo é simples. Trump, aos olhos dessa esquerda, representa um risco menor para o mundo do que Hillary Clinton, que, como secretária de Estado, deixou suas digitais em ações desastrosas, como as intervenções no Iraque, no Afeganistão, na chamada “primavera árabe” e até mesmo em mudanças de regime na América Latina, como já ficou provado em Honduras.

O presidente eleito nos Estados Unidos, no entanto, construiu uma reputação de “isolacionista”, quando, na verdade, seu discurso era bem mais pacifista do que o de Hillary. Sobre a crise síria, que já matou centenas de milhares de pessoas e exporta hordas de refugiados para a Europa, Trump afirmou que o papel dos Estados Unidos não deve ser o de armar rebeldes, nem combater o governo local ou confrontar a Rússia. O inimigo, disse ele, é o Exército Islâmico, que, com a política externa de Barack Obama e Hillary Clinton, vinha se fortalecendo.

Sobre seus supostos laços com a Rússia, ao ser questionado por Hillary na campanha, Trump deu uma reposta prática e direta. “Por que não podemos nos dar bem com eles? Temos que ser inimigos e apontar armas?” Em relação à bomba nuclear norte-coreana, ele afirmou que o problema diz respeito ao Japão, à China e à Coreia do Sul, e não aos Estados Unidos.

Na prática, com esse tipo de discurso, os Estados Unidos desembarcam de sua posição imperial – que já não conseguiam sustentar economicamente – e chamam os demais países à responsabilidade de zelar pela paz mundial. Com isso, chega ao fim a era da hegemonia da “hiperpotência americana” e abre-se uma nova etapa, de um mundo realmente multipolar. Ou seja: um cenário muito mais justo e propício à paz mundial, onde os BRICs podem vir a jogar um papel decisivo.

Foto: montagem Brasil 247


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum