Omar Aziz chama Carlos Wizard de imbecil, bandido e mau-caráter

Presidente da CPI disse ainda que teria prazer em dar voz de prisão ao empresário financiador do bolsonarismo, que permaneceu calado durante toda a audiência, resguardado por um habeas corpus do STF

O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI do Genocídio, que investiga as ações do governo Bolsonaro durante a pandemia da Covid-19, chamou o empresário Carlos Wizard, durante uma entrevista à GloboNews, nesta sexta-feira (16), de imbecil, bandido e mau-caráter.

Aziz contou que ficou revoltado com o comportamento do milionário financiador do bolsonarismo que, por conta de um habeas corpus expedido pelo STF, permaneceu calado por horas durante a sessão, negando-se inclusive a responder perguntas banais, como qual seria a sua fé.

“Aquele imbecil, bandido, mau-caráter do empresário chamado Carlos Wizard, que não podemos tomar um depoimento correto porque ele conseguiu uma liminar e nem quis dizer qual a religião dele. E ainda fala que tem religião”, esbravejou o senador amazonense.

O parlamentar que preside a Comissão Parlamentar de Inquérito falou ainda que, se tivesse que escolher um dos depoentes para ser preso, este seria Wizard, por conta do silêncio constrangedor do bolsonarista, que compareceu à audiência no Senado Federal em 30 de junho.

“Aquele, sim, eu teria o prazer de ter dado ordem de prisão”, concluiu Aziz.

A Comissão Parlamentar de Inquérito que corre no Senado já ouviu até agora 33 depoentes, juntou documentos e provas sobre crimes e ingerências cometidas pelo governo de Jair Bolsonaro durante o período da pandemia. As audiências foram suspensas nos próximos dias por conta de um recesso, que se encerrará em 3 de agosto, data em que serão retomados os trabalhos da CPI.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR