Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de fevereiro de 2012, 19h14

Barack Obama e o golpe em Honduras

É frustrante e amargo perceber as realidades que rodeiam a presidência dos Estados Unidos. Às vezes penso que Obama sente-se muito mais cômodo na presidência do que George W. Bush. Era evidente o rosto incômodo e o sofrimento penoso de Bush durante sua presidência. Não é segredo que a presidência era demais para ele, mesmo no sentido protocolar. Somente Gerald Ford o supera. Era tétrico vê-lo na televisão após muitas horas de ensaio, vê-lo tão inseguro diante das câmaras. Dizem por aqui que Karl Rove, seu amigo íntimo e assessor, até comunicava-lhe o que devia dizer nos debates presidenciais, através de um artefato tecnológico. Era uma mútua companhia de meninos medíocres e teimosos.

Porém, sempre nos perguntamos como operam os mecanismos e as influências que rodeiam a presidência dos EUA. O assunto é complexo. Em uma ocasião, o Sr. Rodrigo Carazo, naquela oportunidade presidente da Costa Rica (1978-1980), me comentava o difícil que era orientar-se em Washington, porque eram poderes em luta e muitas vezes descoordenados. Tentar entrevistar-se com funcionários dos distintos poderes do governo era como montar um quebracabeças.

Chegar até a Sala Oval da Casa Branca não é um processo simples. Imagino que quando se chega ali, coça-se a cabeça e diz-se: "Meu Deus, onde me meti". Estou quase certo de que Obama fez essa mesma pergunta. Nós, os homens negros, temos que fazer a pergunta em nosso íntimo porque o império não cede facilmente e carrega sobre nossos ombros o peso da dúvida. Eu experimentei isso quando me deram cargos de relevância em uma instituição educativa estadunidense eminentemente branca, e todo mundo se surpreendeu. Um latino nessa posição?! Jamais!

Sendo bem transparentes: para o império, o remédio foi eleger a Barack Obama. E uma vez que ele ganhou a primária democrata, teve que fazer negociações importantes em seu partido para chegar até a eleição presidencial! Devo sublinhar algo: tenho simpatia por Obama como pessoa. É inteligente. E a presidência não o incomoda. Porém, sejamos honestos, a presidência dos EUA não obedece a um indivíduo; nunca foi assim. É uma instância manejada por poderes justapostos e rodeados por múltiplos interesses que têm poderes econômicos extraordinários.

Barack Obama projetou uma imagem aceitável nos âmbitos internacionais; mesmo Fidel Castro reconhece isso. Porém, sua retórica está em conflito com seu poder real. Obama ganhou a presidência dos EUA; porém, não o poder imperial. Não controla nem o Pentágono, nem a política exterior. Esse é o verdadeiro poder em Washington. O Congresso e o Senado obedecem, na maioria dos casos, a esses interesses mais do que aos ditames da Casa Branca.

Assim, me parece crucial colocar em perspectiva o que sucede na América Latina e no Caribe em relação à administração Obama. Observe-se que Arturo Valenzuela, um cientista político chileno, muito próximo a Bill e a Hillary Clinton, é o novo subsecretário do Departamento de Estado para Assuntos Interamericanos e obedece a eles mais do que a Obama. Quando estou escrevendo isso, Thomas Shannon, republicano conservador próximo a Bush, continua conduzindo a política do Departamento de Estado dos Estados Unidos para a região Latinoamericana e Caribenha. Poderíamos, então, afirmar, sem medos de equivocar-nos, que a maioria dos postos chave na administração Obama estão nas mãos de políticos próximos e protegidos pelos Clinton. Além disso, poderíamos afirmar com muita pena que pessoas chave da administração Bush todavia têm grande ascendência e controle sobre muita informação e estratégia política e militar, além do que a administração Obama deseja. Hillary Clinton está em um fogo cruzado feroz entre os republicanos infiltrados em sua secretaria de Estado (John Negroponte, de ingrata recordação na América Central; e Hugo Llorens, cubano-americano expert em terrorismo e embaixador em Honduras). Ou será que realmente coincidem com eles? Esses dois personagens, Negroponte e Llorens, têm sido artífices de todo o processo de golpe em Honduras. Os processos vão esclarecendo que é assim. A tela inicial era que os Estados Unidos não aprovavam o "golpe" em Honduras. Manuel Zelaya mostrava-se mais tendente a "obedecer" a Washington, e Óscar Arias ficava no meio como um negociador desnecessário.

Era evidente que todo esse processo de negociação era uma fachada já ensaiada que no final demonstra que a mão imperial dos EUA estava ali do princípio ao fim. Obama ficou calado; Hillary falou o que não parecia necessário. O golpe de Estado em Honduras continua seu curso. A União Europeia (EU), a ONU e a OEA continuarão acomodando-se nas próximas semanas. Em novembro, acontecerão umas eleições manietadas; Zelaya ficará à margem. E Honduras voltará ao seu esquema de democracia tutelada e protegida. Obama não falará muito mais sobre o assunto.

Conheceremos e confirmaremos uma vez mais o que significam as posturas acomodatícias e ambivalentes que confirmam o poderio imperial dos Estados Unidos. A presença militar tão proeminente dos EUA em Honduras (vivi 17 anos na América Central), confirmará duas posturas evidentes: O império não cede! A verdadeira democracia na América Latina e no Caribe está em iminente perigo de ser detida e obstruída, buscando a recuperação de sua influência imperial na região!

Continuaremos vivendo sob a ameaça de um poder imperial, convencidos de que a busca de uma relação de respeito e igualdade no tratamento para com América Latina e Caribe terá começado de novo a ser erosionado. Barack Obama, provavelmente, nunca saiba o que está acontecendo. Isso é grave para ele e para os/as que desejaríamos que tivesse algum êxito. O poder imperial dos Estados Unidos é mais do que uma presidência; é um monstro, dizia nosso José Martí. Enquanto isso, esperaríamos um giro em Honduras que nos surpreendesse e que demonstrasse a cortesia e a dignidade presentes na tentativa, apesar de tímida, de chegar a processos democráticos. Não sou muito otimista. Uma vez mais, os Estados Unidos dão demonstração do que são capazes para manter seu poderio: recorrer à hipocrisia, à mentira e à extorsão, para continuar imperando. Essa tem sido sua estratégia. Os impérios não mudam tão facilmente.

Tradução por Adital.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags