Bolsonaro ataca as instituições para esconder fracasso econômico, diz Barroso

O presidente do TSE voltou a defender o sistema de urnas eletrônicas e afirmou que o presidente é um “farsante” que envergonha o país perante o mundo

Na abertura da sessão desta quinta-feira (9), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Luís Barroso respondeu os ataques do presidente Jair Bolsonaro e afirmou que ele ataca as instituições para “esconder problemas econômicos e sociais”.

Antes de responder as acusações de Bolsonaro, o ministro Barroso afirmou que o objetivo do presidente é colocar o Brasil no mesmo hall de países como Hungria, Polônia, Rússia, Filipinas onde as instituições foram loteadas por aliados políticos e a “democracia iliberal”, quando direitos são usurpados dos cidadãos, foi instituída.

Voto e democracia



Após fazer uma breve introdução, Barroso respondeu acusação por acusação das quais tem sido vítima por parte do presidente Bolsonaro. E, reproduzindo uma aspa do presidente, o ministro afirmo que sim, “de fato o voto é a alma da democracia, é elemento da democracia representativa. Outro elemento é o debate público de qualidade, onde os cidadãos recebem informações corretas. Quando esse discurso é dominado pelo discurso de ódio e desinformação, a democracia é destruída”.

O ministro também rebateu as teses do presidente sobre a auditoria das urnas. “Não vou repetir, as eleições são limpas e auditáveis e por esses sistemas foram eleitos Fernando Collor, FHC, Lula, Dilma e Jair Bolsonaro. O sistema tem mais de 10 camadas de auditoria”, disse.

Em seguida, Barroso ironizou a proposta de contagem pública de votos. “Contagem pública de votos? É como abandonar o computar, seria como voltar a caneta tinteiro, seria o retorno ao tempo de fraude e manipulação”, criticou Barroso.



Farsante



Em um dos momentos mais duro de seu discurso, Barroso afirmou que o presidente da República cria dúvidas e para isso utiliza “uma máquina governamental de propaganda .

“Ele (Bolsonaro) repete que teve fraude na eleição que ele se elegeu, ele tem o dever moral de apresentar provas. Prometeu que iria apresentar em uma live, que deve configurar em alguma antologia de eventos bizarros, não apresentou. Quem é o farsante da história?”, questiona Barroso.

Chacota internacional

O presidente do TSE também afirmou que os discursos e a postura de Bolsonaro não fizeram apenas que o real se desvalorizasse, mas transformou o Brasil em “chacota internacional”.

“Insulto não é argumento, ofensa não é coragem, a incivilidade é uma derrota de espírito, a falta de compostura nos envergonha perante o mundo. Somos vítimas de chacotas internacionais. Não podemos permitir a destruição das instituições para encobrir o fracasso econômico e social que estávamos vivendo”, criticou Barroso.

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR