Biden manda recado a Bolsonaro: não tumultue as eleições

Segundo a agência de notícias Reuters, recado foi dado durante reunião de Bolsonaro com Jake Sullivan, Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, que também teria oferecido vaga ao Brasil na Otan, caso vete o 5G da chinesa Huawei.

Informações divulgadas neste domingo (8) pela agência de notícias Reuters afirmam que Jake Sullivan, Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, que se reuniu com Jair Bolsonaro (Sem partido) na última quinta-feira (5), trouxe um recado direto de Joe Biden ao presidente brasileiro: não tumultue as eleições.

Leia também: Biden oferece parceria militar para Bolsonaro vetar 5G da China

Citando fontes “familiarizadas” com o assunto, a Reuters afirma que “o governo Biden levantou preocupações sobre as alegações infundadas de Bolsonaro de fraude no sistema de votação totalmente eletrônico do Brasil e sua ameaça de não aceitar os resultados da eleição do próximo ano se o sistema não for alterado”.

Um militar teria dito que Sullivan enfatizou a Bolsonaro a importância de não minar a confiança no processo eleitoral brasileiro, visto que não há nenhuma evidência de fraude em eleições anteriores.

Após o encontro com Bolsonaro, Sullivan se reuniu com o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, com o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e com o ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD-RN).

Na pauta, Sullivan teria oferecido uma vaga ao Brasil na na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar capitaneada pelos EUA que atua em grande parte promovendo guerras no Oriente Médio e em países do leste europeu.

Em troca, Biden quer que Bolsonaro vete a participação da gigante de tecnologia chinesa Huawei no mercado 5G no Brasil.

Notícias relacionadas

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR