Assessor de Bolsonaro usa criança para atacar Lula e o PT

No vídeo, a esquerda é classificada como "terrorista" e que deseja destruir a família; Max Guilherme deve ser candidato à Câmara dos Deputados

Um vídeo com uma criança pregando ódio foi publicado no perfil de Max Guilherme, que é sargento licenciado do Batalhão de Operações Policiais (Bope), e atualmente assessor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

No vídeo, a criança inicia afirmando que “quanto mais eu vejo o meu pai defender o Bolsonaro, mas eu sei que ele está do lado certo”.

“Quanto mais eu vejo o tipo de cena produzidas por essa gente de esquerda, mais eu sei que eles não querem o bem para o país”, continua a criança.

“Vandalismo, destruição do patrimônio público… A democracia para esse grupo de terroristas é destruir tudo, inclusive a família”.

Em outro momento, a criança aprece fazendo o símbolo de L com a mão, que ficou muito popular durante a campanha “Lula Livre” e diz: “não podemos deixar o pai da mentira voltar ao poder”.

A identidade da criança não foi revelada, mas, em sua postagem Max comemora a produção e diz que “até mesmo as crianças já perceberam que esse partido das trevas não vale nada”.

Por fim, Max Guilherme deve sair candidato para a Câmara dos Deputados nas eleições de 2022 e para se promover, tem se apoiado em discursos de ódio e adulação ao presidente Bolsonaro.

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR