Bolsonaro “emprestava” endereço a funcionários fantasmas do filho Carlos

Ao menos quatro parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, mãe de Jair Renan, que teriam participado de esquema de corrupção forneceram endereço de Bolsonaro em cadastros na Receita e na Câmara do Rio

Parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, segunda esposa de Jair Bolsonaro (Sem partido), forneceram como seus o endereço do casal no cadastro da Receita Federal ou da Câmara Municipal do Rio de Janeiro enquanto atuavam como funcionários fantasmas no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Leia também: Carlos Bolsonaro reage ao sucesso de documentário sobre “fakeada” do pai

Segundo informações de Ítalo Nogueira, na edição desta segunda-feira (13) da Folha de S.Paulo, Gilmar Marques (ex-cunhado de Ana Cristina), André Luís Procópio (irmão de Ana Cristina), Andrea Siqueira Valle (irmã de Ana Cristina) e Marta da Silva Valle (cunhada de Ana Cristina), investigados no esquema de corrupção nos gabinetes de Carlos e também do hoje senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) eram cadastrados no endereço de uma casa na rua Professor Maurice Assuf, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, onde moravam Jair e Ana Cristina.

O imóvel foi comprado pelo casal em 2002. Em 2008 foi transferido para Bolsonaro após a separação e, em seguida, foi vendido. O presidente morou na casa em 2002 e 2006.

Nesse período os parentes de Ana Cristina constavam como funcionários do gabinete de Carlos, que era comandado pela ex-mulher de Bolsonaro.

O endereço cadastrado na Receita e na Câmara é o local para onde são encaminhadas eventuais comunicações fiscais e administrativas dos funcionários da Câmara.

A informação consta no inquérito aberto pelo Ministério Público do Rio que investiga o esquema de rachadinha no gabinete de Carlos Bolsonaro na Câmara.

O esquema de corrupção teria começado no legislativo municipal, implantado por Ana Cristina, que depois teriam implantado no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Publicidade

Durante o processo de separação de Bolsonaro, as atribuições da ex teriam sido transferidas para o ex-PM Fabrício Queiroz.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR