Bolsonaro manda menina de 10 anos tirar a máscara durante cerimônia no RN; veja vídeo

A criança subiu ao palco para recitar um poema de sua autoria e foi aconselhada pelo presidente a retirar o acessório

Durante a realização de um evento na cidade de Jucurutu, no Rio Grande do Norte, nesta quinta-feira (24), Jair Bolsonaro pediu que uma criança de 10 anos retirasse a máscara de proteção individual, medida obrigatória contra o coronavírus.

A menina subiu ao palco para recitar um poema de sua autoria, na abertura da solenidade, e foi aconselhada pelo presidente a tirar o acessório. Ela obedeceu.

Além disso, Bolsonaro atacou novamente os jornalistas, três dias após ofender uma repórter da TV Vanguarda, filiada da Rede Globo no interior de São Paulo.

“Eu não tenho que dar entrevistas. Eu não tenho que responder perguntas de muitos idiotas”, disse, se referindo às críticas e acusações sobre suspeitas de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin.

Bolsonaro, porém, negou as irregularidades. “Não adianta inventar vacina, porque não recebemos uma dose sequer dessa (Covaxin), que entrou na ‘ordem do dia’ da imprensa ontem”, declarou, sem convencer.

Ataques à governadora

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, atacou a atuação da governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT). Ele disse que ela é “mentirosa” por afirmar que tem “adquirido vacinas para o estado”.

“Aqui tem uma governadora que, se chover no RN, ela diz que foi ela que trouxe a chuva”, ironizou.

Publicidade

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, por sua vez, tentou livrar Bolsonaro com o velho discurso, dizendo que a oposição tem acusado o presidente de “defender a família brasileira e a bandeira”.

Com informações do UOL

Publicidade
Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR