Bolsonaro sinaliza que não disputará reeleição se voto não for impresso

Presidente voltou a atacar ministro Luís Roberto Barroso, do TSE, e disse que “entrega a faixa para qualquer um, se disputar eleição”. Ele deu um jeito de falar de Lula outra vez

O presidente Jair Bolsonaro deu a entender, numa conversa com seguidores na manhã desta segunda-feira (19), que pode não disputar a reeleição no próximo ano caso o voto não seja impresso. Na mesma fala, ele voltou a criticar o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, e deu um jeito de trazer o nome do ex-presidente Lula outra vez à baila.

“Olha, eu entrego a faixa para qualquer um, se eu disputar eleição… Agora, participar dessa eleição com essa urna eletrônica…”, disse em tom misterioso o presidente. Na sequência, Barroso foi o alvo do discurso repetitivo sobre o sistema eleitoral, mas desta vez Bolsonaro acusou o magistrado da Suprema Corte de interferir no Legislativo, onde corre o Projeto de Lei pelo voto impresso, que já está praticamente sepultado pelos deputados.

“O Barroso foi para dentro do Parlamento fazer reunião com os congressistas. E acabou a reunião, o que vários líderes fizeram? Trocaram os parlamentares pra votar contra o parecer do deputado Filipe Barros (PSL-PR), relator do projeto”, disparou, novamente sem provas.

Para não perder o costume, Bolsonaro fez contorcionismo retórico para falar do líder petista que aparecem em primeiro lugar isolado nas várias pesquisas eleitorais de diferentes institutos até o momento.

“As urnas eletrônicas serão auditadas dentro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), de forma secreta e pelas mesmas pessoas que liberaram o Lula e o tornaram elegível”, concluiu.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR