Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de agosto de 2019, 08h36

Bolsonaro segue modelo húngaro e quer colocar a mídia sob sua influência

A exemplo do presidente húngaro, o presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta semana algumas medidas que deverão atacar diretamente a receita de diversos veículos de imprensa

Bolsonaro com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán (Reprodução)

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, tem aplicado no país diversas medidas para inviabilizar a prática jornalística dos veículos de mídia independente, conhecidos por criticar diretamente o presidente de direita. No Brasil, práticas semelhantes as do presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) apontam que ele está seguindo os mesmos passos do seu colega populista de direita.

Assim como Bolsonaro, Orban se queixava de que a mídia tradicional o atacava injustamente, além de tachar a imprensa independente de “fake news”. Para tal, empresários ligados ao partido do presidente realizaram a compra da maior parte desses veículos, além de o governo ter aprovado leis que ameaçam a liberdade de imprensa e a viabilidade financeira dos veículos.

Algumas dessas leis húngaras de mídia preveem multas para veículos de mídia que fizerem “cobertura desequilibrada”, “insultuosa” ou em violação à “moralidade pública”. Também acaba com a proteção ao sigilo das fontes e obriga a mídia a fazer cobertura “autêntica, rápida e precisa” das notícias. Orbán também aprovou tributação que atinge diretamente a maior TV do país, a RTL, que é crítica a ele. Ainda, foram adotadas várias medidas que dificultam uso de leis de acesso à informação, algo que quase ocorreu no Brasil, mas foi brecado pelo Congresso no início do ano.

A exemplo do presidente húngaro, nesta terça-feira (6), Bolsonaro assinou uma medida provisória que ataca diretamente a receita de vários veículos de imprensa. A MP acabará com a obrigação de empresas de capital aberto de publicar seus balanços em jornais de grande circulação. Agora, elas poderão publicá-las gratuitamente no site da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), em vez de veículos impressos. A MP ainda deverá ser aprovada no Congresso, para então seguir para sanção presidencial.

“No dia de ontem [6] eu retribuí parte daquilo que a grande mídia me atacou. Assinei uma medida provisória fazendo com que os empresários que gastavam milhões de reais ao publicar obrigatoriamente por força de lei seus balancetes agora podem fazê-lo no Diário Oficial da União a custo zero”, disse, em entrevista publicada no jornal Folha de S.Paulo.

Nesta quarta-feira (7), Bolsonaro anunciou que avalia retirar mais uma fonte de receita dos jornais: a publicação de editais de concorrências públicas, concursos e leilões. Práticas semelhantes foram feitas na Hungria que, segundo cálculo da London School of Economics, possui cerca de 90% da mídia sob influência do Fidesz.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags