“Respeito o Boulos, mas temos programas diferentes”, diz Fernando Haddad

Durante evento com trabalhadores da saúde, o ex-ministro da Educação afirmou que há “uma oportunidade de virar a página dos últimos anos” do comando político do estado paulista

O ex-prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Haddad (PT), declarou nesta terça-feira (26), durante encontro com o Sindicato dos Hospitais do Estado de São Paulo (Sindhosp), que respeita Guilherme Boulos, pré-candidato do PSOL ao governo paulista, mas afirmou que possuem “programas diferentes”.

“Não acredito que os votos da esquerda serão pulverizados. Respeito Boulos e o PSOL, mas temos programas diferentes”, disse Haddad, pré-candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes.

Apesar da declaração, Haddad afirmou que não estar em uma chapa conjunta com Boulos no primeiro turno, não significa que não estarão juntos no segundo turno.

“Mesmo quando uma aliança não é possível, se pavimenta o caminho para uma solução boa para o Estado e para o país no segundo turno, o que não aconteceu em 2018. Estamos pagando um preço enorme por não ter preparado o terreno para uma solução civilizada”, analisou o ex-ministro da Educação referindo-se à disputa presidencial de 2018.

Além disso, Haddad afirmou que “existe uma oportunidade de virar a página dos últimos anos, que foram de governos muitos tensos, tanto no plano federal quanto estadual”.

Notícias relacionadas

Com informações Estadão

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR